No cerrado encontrei Brasília

Essa foi a primeira vez que viajei na dúvida de está fazendo uma escolha acertada. Todo mundo que eu informava sobre a trip me perguntava: – O quê você vai fazer em Brasília? E mesmo tendo pesquisado diversos passeios no lugar, não sabia ao certo o que responder. Não é um território famoso turisticamente falando. Normalmente quem vai pra lá é para seguir depois para a Chapada ou para Caldas Novas. Mas hoje, posso afirmar tranquilamente que a capital do país vale sim ser visitada e reafirmo ainda mais a minha teoria: todo estado tem algo de bom a lhe apresentar, mesmo que seja só uma coisa, mas sempre vai valer à pena conhecer um lugar novo!

O meu tour pela cidade projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, começa ainda no Rio de Janeiro, pois era a primeira vez que minha mãe iria entrar em um avião (logo logo teremos mais detalhes sobre essa emoção contada por ela mesmo, em sua coluna no blog). Sim, esta foi mais uma aventura de mãe e filho, até porque o mochilão é para todos. Depois de passar por essa primeira adrenalina, fomos em busca do que a terra de JK tinha para nos mostrar.

Congresso Nacional

Dia 1
O primeiro dia é aquele meio perdido, que você tem o roteiro na mão, mas não sabe muito bem o que fazer. Pede informação na recepção e eles nem sabem que o lugar que você quer ir existe. Pergunta para as pessoas na rua e elas te dão 500 possibilidades de chegar no lugar, sendo que você só quer uma. Resumindo: o primeiro dia é o momento de se ambientar. E foi isso que fizemos, nos comunicamos e aprendemos como andar na cidade, que tem as ruas com nomes diferentes. Ah, e  também compreendemos que o Uber é fundamental para passear por lá. Neste primeiro dia fomos:

• Torre de TV
Famosa pela vista e pela feira, a Torre de TV é visita obrigatória para os turistas que vão pela primeira vez à capital.
Horário de visitação do mirante: Segunda-feira, das 14h às 20h. De terça a domingo, das 8h às 20h.
Funcionamento da feira: Sábados, domingos e feriados, de 9h às 18h.
Entrada gratuita.
Eixo Monumental, s/nº, Brasília – DF

• Museu Nacional
É um espaço que insere Brasília no circuito internacional das artes e mostra o que há de melhor na arte brasileira. O espaço é utilizado para exposições itinerantes de artistas renomados e temas importantes para a sociedade.
Horário de funcionamento: terça a domingo, das 9h às 18h.
Contato: (61) 3325-5220 / museunacional@gmail.com

Teatro Nacional Cláudio Santoro
O principal teatro da cidade tem projeto de Oscar Niemeyer e é todo revestido com cubos desenhados por Athos Bulcão. A obra de arte chamada” O sol” faz o espaço brincar com as sombras: a cada hora do dia forma novos desenhos na fachada.
Endereço: SCTN, Via N2, Asa Norte, Brasília – DF – CEP: 70070-200

Dia 2
Já estávamos mais desgastados, entretanto, mais preparados para seguir o roteiro. Dessa vez, estudamos bastante o mapa local e seguimos um passo a passo, para não perder tempo, até porque este era o dia mais cheio de atrações. Nesse dia conhecemos:

• Memorial JK
No lugar onde foi realizada a primeira missa da nova capital da República, o ponto mais alto dentro da cidade, está o espaço que homenageia o presidente que idealizou Brasília. O Memorial JK guarda a história da família Kubitschek e do seu mais ilustre membro, o presidente Juscelino, que recebe o visitante com um “aceno” ainda do lado de fora. O espaço é surpreendente, conta a história de forma rica e detalhada. Me impressionei bastante com o lugar.
Horário de visitação: de segunda a domingo, das 9h às 18h.
Entrada: R$ 10
E-mail: cultural@memorialjk.com.br | Telefone: (61) 3225-9451
Endereço: Praça do Cruzeiro, Eixo Monumental , Brasília – DF – CEP: 70070-300

• Jardim Botânico
Primeiro Jardim Botânico do Brasil com um ecossistema predominante de cerrado. Vale destacar que o lugar tem um espaço todo planejado para piqueniques, e que vale muito à pena ser conhecido e aproveitado. De terça a domingo, das 7 às 8h50, o acesso ao JBB é permitido somente a pedestres e ciclistas, sem cobrança de ingresso.
Horário de visitação: de terça à domingo, das 9 às 17 h.
Entrada: R$ 5. Crianças até 12 anos incompletos, idosos a partir dos 60 anos e portadores de necessidades especiais não pagam ingresso.
Endereço: SMDB, Área Especial, s/n – Lago Sul

• Pontão do Lago Sul
O passeio ao longo das margens do Lago Paranoá atrai centenas de visitantes nos finais de semana. O espaço tem belos jardins, restaurantes e decks que permitem ver um sensacional pôr do sol. Ótima pedida para quem tem a tarde para relaxar ao ar livre.
Horário de visitação: domingo e segunda, das 7h à 0h. Terça a quinta, das 7h à 1h. Sexta e sábado, das 7h às 2h.
Entrada gratuita
Endereço: SHIS, QL 10, LT. 1/30, Lago Sul, Brasília – CEP: 71630-100

• Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB
O mais democrático espaço cultural da cidade oferece exposições, teatro, shows e cinema gratuitamente ou por valores simbólicos. No CCBB é certo encontrar excelentes mostras culturais, sempre de altíssima qualidade. Na minha opinião esse é o melhor CCBB entre todos os outros. É o que tem mais interação e mais espaços ao ar livre.
Horário de visitação: terça a domingo, das 9h às 21h
Contato: (61) 3108-7600
Endereço: 
Sces, Trecho 2, lote 22, Asa Sul, Brasília – DF – CEP: 70200-002

• Ponte JK
Um dos monumentos mais fotografados da capital, a Ponte JK é parada obrigatória para o turista que visita Brasília.
Endereço: Via L4 Sul / Lago Sul QL 24/26, Asa Sul/ Lago Sul, Brasília – DF

Dia 3
No terceiro dia as coisas já estavam mais tranquilas. Já dava para curtir uma piscina ou um lago com mais calma. Nesse dia fomos aos locais que moradores da região tinham nos indicado, então posso dizer que eles curtem bastante o que fizemos, principalmente o lago que fica no Dom Bosco, ponto certo para ficar lotado.

• Estádio Mané Garrincha
Estádio Nacional de Brasília “Mané Garrincha” é um estádio de futebol e arena multiuso brasileiro.
O Estádio Nacional está aberto para visitação todos os sábados de 9h às 11h30.
Endereço: 
SRPN – Asa Norte, Brasília – DF, 70070-701

• Ermida Dom Bosco
A área verde à beira do Lago atrai esportistas, famílias para piqueniques e muitos visitantes para ver o pôr do sol (o mais bonito de Brasília). Por ser uma área bem limpa do Lago Paranoá, é comum banhistas se aventurarem a nadar e tomar sol.
Endereço: Estrada Parque Dom Bosco, QI 29, Lago Sul, Brasília – DF

Dia 4
O último dia de viagem, foi o momento de se envolver mais com a politica nacional. Rodamos os principais cenários de decisões importantes para o país. E mesmo quem não gosta tanto do tema, tem que fazer uma visita aos locais, o sacríficio será recompensado. O aprendizado é gigantesco.

• Congresso Nacional
A imagem das duas torres de 28 andares – as mais altas da cidade – com uma cúpula côncava (Senado) e outra convexa (Câmara) é o mais famoso cartão-postal de Brasília. Sede do Poder Legislativo, o Congresso Nacional é o grande foco das manifestações populares que acontecem na cidade.
Horário de visitação: das 9h30 às 17h, todos os dias do ano
Endereço: 
Praça dos Três Poderes, Brasília – DF – CEP: 70160-900

• Palácio do Itamaraty
Os arcos que compõem a fachada diferenciam o palácio de todos os outros prédios da Esplanada dos Ministérios. O projeto paisagístico de Burle Marx leva vida ao concreto. A melhor visita guiada entre todos os espaços que visitei.
Horário de visitação: segunda a sexta, das 14h às 16h30. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 15h30. Agendamento pelo telefone: (61) 3411-8051.
Endereço: 
Esplanada dos Ministérios – Via S1 – Bloco H, Asa Sul, Brasília – DF – CEP: 70170-900

• Parque da Cidade (Parque Sarah Kubitschek)
O parque é um dos prediletos entre os moradores para a prática de exercícios ao ar livre.
O parque permanece aberto 24hs,  todos os dias da semana.
Endereço: entradas pelo Eixo Monumental, pelo Setor Sudoeste e pelas quadras 901, 906 e 910 Sul.

Palácio Itamaraty

Curiosidades
Não há esquinas e  as áreas comerciais são separadas de acordo com a atividade comercial exercida. Há, por exemplo, a rua das farmácias, a rua dos restaurantes, o Setor de Indústria, o Setor de Gráficas… Eu mesmo fiquei no Setor Hoteleiro. As distâncias entre um lugar e outro geralmente são enormes, mas as avenidas são largas e bem arborizadas. Ah, lá praticamente só se anda de carro particular, uber ou táxi, os transportes públicos praticamente não são utilizados, e caminhar, num clima tão seco, também é muito raro.

Conclui-se que…
Eu adorei! Mais um lugar riquíssimo que foi conhecido. Mais uma viagem que deu certo. Mais uma experiência junto a minha mãe. Mais pessoas e culturas que conheci. A viagem novamente só teve “mais”, só pluralidade, só acréscimo. Vou me esforçar para que seja sempre assim. Sempre viajando e crescendo com os novos lugares que vou conhecendo.

Anúncios

Pedra do Sino no amor e na raça!

Antes de começar a relatar como foi a minha experiência, eu preciso destacar como é intensa a trilha da Pedra do Sino. Estou falando sobre o ponto mais alto do Parque Nacional da Serra dos Orgãos e da cidade de Guapimirim. Um ponto culminante do estado do Rio de Janeiro que tem 2263 metros de altitude. É um lugar surreal, muito procurado por montanhistas e alpinistas. Sabendo disso tudo, o que faço? Resolvo que quero chegar ao cume dessa pedra. Certas horas não sei o que se passa na minha cabeça (rs).

O percurso pode ser iniciado por diversos lugares. Pode ser por Guapimirim, ponto menos popular para iniciar a caminhada, por Petrópolis, normalmente feito por quem está fazendo a travessia Petrópolis-Teresópolis, ou por Teresópolis, opção que eu escolhi e que naturalmente é escolhida por quem só quer conquistar a Pedra do Sino. Vale destacar dois pontos importantes: o primeiro, que o Parnaso de “Terê” fica na Avenida Rotariana e dá para chegar tranquilamente de carro, van ou ônibus. O segundo ponto é para frisar que a trilha não é gratuita, quem quiser ir terá que acessar o site (parnaso.tur.br), escolher as opções que lhe interessam, gerar o boleto e levar o comprovante do pagamento até a recepção do Parnaso, que lá eles irão te dar as pulseiras e os comprovantes finais.
O começo de tudo
Nossa saga começou, depois de passar por uma portinha simples de madeira, encarando um trecho intenso de pedras, talvez a parte mais cansativa de toda a caminhada. Andando por 40 minutos nesse percurso você irá encontrar o abrigo 1, ponto geralmente utilizado como primeira parada. Escolhemos não parar, queríamos manter um ritmo mais forte e sair logo dessa parte de terreno mais complicado. Fizemos a nossa primeira parada na cachoeira (que está seca no presente momento).

Da cachoeira para o abrigo 3
Passando pela cachoeira você irá caminhar cerca de 2 horas até chegar ao abrigo 3. É um caminho mais leve, menos subidas, em constante zig e zag. Uma dica é se alimentar bem na cachoeira, para obter mais energia e dar um impulso forte, sem paradas. Se conseguir fazer isso, você já terá dominado mais da metade da trilha. Apesar do abrigo 3 não está mais funcionando, ele é um ótimo ponto para descanso e, além disso, também conta com um pequeno mirante, que fica a 5 minutos do local.

Abrigo 3 para o 4
Apesar dos 20 quilos nas costas, dos 5 quilos na mão (barraca) e de está caminhando a alguma horas, estávamos no tempo que queríamos e nos sentindo melhor do que imaginávamos, até que uma surpresa aconteceu: veio uma inesperada chuva! Num primeiro momento ficamos perdidos, pois como a meteorologia não previa isso, também não estávamos esperando. Mas, depois de um tempo embaixo de uma árvore, minha parceira de trilha teve uma brilhante ideia: usar a lona da barraca pra proteger a gente e as malas. Fomos andando assim! Não tínhamos escolha, ficar embaixo da árvore era perigoso, descer levaria mais tempo que subir, então resolvemos seguir e enfrentar aquela cachoeira que vinha na nossa direção. Infelizmente não temos fotos, pois a pressa de chegar ao final da trilha e ficar secos nos deixou extasiados e com foco máximo. A cena deve ter ficado engraçada, pelo menos todo mundo que passava dava aquela risada (rs).

Chegando ao camping
Depois de muito esforço e 4 horas de subida, conseguimos com muita alegria chegar ao camping. Montei rapidamente a barraca e fomos correndo para a pedra (o cume da pedra fica a 25 minutos do abrigo 4) para ver o pôr do sol, mas a ideia, misturada  a nossa displicência e inocência momentânea, não deu muito certo. Fomo pegos, novamente, por uma surpresa e, dessa vez, foi ainda pior, pois se tratava de uma intensa neblina!

Ficamos no alto do cume sem enxergar nada, inclusive o caminho de volta, por cerca de 30 minutos. Percebemos que o tempo não ia melhorar, então resolvemos, sem perder a calma, buscar algumas opções de saída. Nesse momento comecei a me rastejar pelas pedras em busca de um ponto plano para descer, pois como se tratava de um cume, pulando no lugar errado era “adeus”. Felizmente com a ajuda divina consegui achar um ponto e retornar a trilha. Mas fica aqui a reflexão, sua vida sempre está em primeiro lugar! Sempre coloque isso na sua cabeça, assim nunca vai se expor a situações de riscos, como eu fiz erradamente.
A recompensa
A partir desse susto, resolvemos que era o momento de encarar o frio e dormir. Nessa hora, todo o peso que levei compensou. O frio lá realmente é muito intenso, fez cerca de 2 graus. Para quem quiser me seguir, eu levei: isolante; saco de dormir; muita roupa (dois casacos, duas calças grossas, três meias, luva e touca); muita comida (quatro sanduíches bem recheados, três ovos, três bananas, 2 bananadas e um tubo grande de batata); três litros de água e um repositor. Resumidamente, levei muita coisa.

Acordamos com um lindo céu estrelado, às 4h da manhã. Nos arrumados e fomos subir o pico, às 4h30. Levamos lanterna para chegar até lá, estava tudo bem escuro. Enfim a recompensa chegou! O céu estava lindo, limpinho, azul! Sem dúvidas alguma este foi, até hoje, o nascer do sol mais lindo que já vi. Aquele peso das costas finalmente saiu. Curtimos muito, tiramos altas fotos e aquele conforto de que tudo valeu à pena veio a tona. Nessa hora eu não sabia nem o que pensar, só queria curtir o momento. Ficamos lá por mais de duas horas, descemos, desmontamos tudo e partimos para casa. Fizemos a descida em 3 horas.
Depois disso tudo, eu só posso afirmar que Deus sabe de toda as coisas! Se você não compartilha de minha fé, se apegue na sua, pois certamente essa experiência vai te deixar mais próximo de algo superior. Foi incrível, marcante e único. Voltamos para casa super satisfeitos e sempre vamos ter essa lembrança na memória, de que vivemos algo único e extraordinário.

O que é que Salvador tem ?

“Ah, que bom você chegou, bem-vindo a Salvador, coração do Brasil.” Realmente, Salvador é a cara do Brasil. Diferenças sociais claras e grandes riquezas culturais. Centro de diversidade que em certos momentos dá medo, por causa dos saqueadores de plantão, mas que também dá muito prazer devido a animação do baianos de bom coração.

Pelourinho

Minhas aventuras por terras soteropolitanas começaram, e só tiveram a devida graça, por causa de três maravilhosas pessoas que me acolheram e mostraram o que a “cidade do carnaval” tem de melhor. Convivi com baianos e como baiano.

Apesar de irmos para os pontos turísticos de carro, quando utilizei o ônibus não tive dificuldades, lá é tudo bem perto e a passagem custa em torno de R$3 reais, bem mais barata que no Rio. E ainda tem o metrô, que eu não usei, mas os amigos falaram que é bem útil e prático. Deixo essa dica no ar.

Mas vamos ao que interessa: os passeios!

No primeiro dia fizemos um tour e tanto, rodamos o Pelourinho, as igrejas, subimos o Elevador Lacerda, conhecemos o Mercado Modelo e concluímos um dia lindo vendo o final do entardecer na Ponta do Humaitá.

Pelourinho
Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o bairro na Cidade Alta, tem mais de 800 casarões dos séculos 17 e 18. Vielas, ladeiras e largos concentram igrejas, museus, restaurantes, lojas e um vaivém de gente de todo o mundo. Para chegar ao local de forma prática é só pegar o Elevador Lacerda. Sem dúvidas o “Pelô” é o lugar mais mágico de Salvador.

Igreja e Convento de São Francisco
Centenas de quilos de ouro enchem de brilho os altares da igreja mais rica do país. Considerado um dos mais extraordinários monumentos do barroco mundial, o templo de São Francisco foi erguido em 1723. O desenho que as casinhas fazem ao seu entorno é algo surreal.
Obs: Evite os horários de missa (3ª, às 7h, 8h, 16h e 18h, sábado, às 7h30, domingo, às 8h), quando a entrada é grátis, mas é proibido circular pela capela e visitar o claustro.
Funcionamento: 2ª, das 9h às 17h30, 3ª, das 9h às 16h, 4ª a sábado, das 9h às 17h30, domingo, das 10h às 15h.
Entrada: R$ 5,00. A visita pode ser feita sem monitoria.
Endereço: Largo do Cruzeiro de São Francisco (Pelourinho)

Igreja do Bonfim
A igreja do Senhor do Bonfim não é a mais bonita, mas com certeza, é a mais famosa da cidade em função das fitinhas que são amarradas em suas grades (aproveite a visita e faça seu pedido). Esteja preparado para o assédio de vendedores de fitinhas e de pedintes.
Endereço: Largo do Bonfim – Cidade Baixa

Elevador Lacerda
A maneira mais original de circular entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa é através deste elevador. Com 72 metros de altura, liga a Praça Tomé de Souza (parte alta) à Praça Cairu, onde fica o Mercado Modelo. Restaurado em 2002, ganhou nova iluminação noturna e janelas panorâmicas que descortinam o cais e o mercado.
Entrada: O valor simbólico de R$0,15 centavos
Endereço: Cidade Alta – Praça Tomé de Souza, s/n | Cidade Baixa – Praça Visconde de Cairu, s/n

Mercado Modelo
Considerado um dos principais pontos de vendas de artesanato, o mercado abriga cerca de 270 lojas, com os mais variados tipos de mercadorias, presentes e lembranças.
Endereço: Praça Visconde de Cayru, s/n – Comércio

Ponta do Humaitá
Um dos lugares mais charmosos da região nos privilegia com uma vista da Baía de Todos-os-Santos e um pôr do sol espetacular (mais bonito que o do farol). Vale ressaltar que esse cantinho da Bahia ainda não é tão popular, então aproveite para ir agora que ainda é possível curtir o ambiente com tranquilidade.

No segundo dia, optamos por fazer um percurso mais tranquilo, aproveitamos mais das riquezas naturais e dos sabores locais. Demos uma volta na praia do Farol da Barra, vimos o pôr do sol no farol e fechamos o pacote com chave de ouro, dando uma voltinha a noite no Rio Vermelho.

Praia do Farol da Barra
Cenário das grandes comemorações da cidade, como o Reveillon, tem como destaque o Forte de Santo Antônio. À noite, o movimento é intenso por conta dos bares e restaurantes.
Endereço: 206, R. do Gavaza, 24 – Barra

Noite no Rio Vermelho com acarajé
Um dos pontos mais badalados, principalmente pela galera mais jovem. Vá a noite, pois é o horário que o movimento aumenta com a abertura de bares e restaurantes, que espalham mesinhas na calçada.

Praia do Farol da Barra

Parece pouco, mas dois dias foram suficientes para conhecer bastante de Salvador. Não fui embora sentindo falta de ter conhecido algo. Foram dias intensos. Além dos pontos de maior curiosidade, comi em diversos restaurantes locais e, por destino, conheci também o teatro baiano, através da atuação dos formandos da UFF em uma poderosa peça dramática (a apresentação foi linda). Ou seja, foram dias com tudo que a Bahia tem de melhor: pessoas, alegria, espetáculo, cultura, turismo, comida, arte e vida!

Viagens, filho, felicidade

Vamos arrumar a mala, temos que sair com duas horas de antecedência, não gosto de chegar atrasado, o passeio vai ser tranquilo, é uma viagem mais família, pena que meu pai não veio, já fiz o nosso roteiro, você merece essa viagem, é como tirar férias dos serviços de casa, você ronca muito, não pára, o mais importante é comer todos os dias, arroz, feijão, uma verdura e uma carne, as minhas viagens são assim, procuro fazer uma boa alimentação, você é que vai escolher onde vamos comer dessa vez, mãe, pode falar, você está cansada? Quando quiser eu paro, eu tenho que resolver tudo?

Viajar com meu filho é assim, um ritmo acelerado, mas o que é mais engraçado sou eu, tentando acompanhar esse ritmo, mas tudo vale a pena, porque estar com ele, é a maior felicidade.

Os belos jardins do Amantikir

Localizado em Campos do Jordão, O Parque Amantikir é fruto de um sonho do engenheiro agrônomo e paisagista Walter Vasconcellos. Esse sonho deve ter sido um daqueles que te faz acordar extasiado, pois o parque se tornou um sucesso e recebe, a cada ano, um número maior de visitantes.

Com mais de 700 espécies de plantas ao longo dos 60.000 m², o local foi considerado pelos usuários do TripAdvisor como a melhor opção do que fazer em Campos do Jordão, por quatro anos consecutivos, (2013, 2014, 2015 e 2016).

Labirinto de Grama

Eu estive por lá, e pude comprovar toda essa beleza e encantamento de perto. O parque me impressionou através das sua incríveis paisagens e das possibilidades de enriquecimento do “eu criativo”, pois o lugar, além de apresentar belezas naturais fantásticas, tenta fugir do eixo comum e nos presenteia com labirintos e outras coisas que aguçam os pensamentos.

O Amantikir está aberto todos os dias do ano, inclusive feriados, natal e ano novo, das 8h30 às 17h00. Visitantes que entram até as 17h00 podem permanecer no parque até o pôr-do-sol. O ingresso tem o valor de R$40 inteira e R$20 meia.

Como chegar?

Estando em Campos do Jordão e partindo de Capivari: Após deixar o Centro Turístico em direção ao Portal de Campos do Jordão, atravesse todo o centro comercial de Abernéssia. Em frente a UNIVAP entre à esquerda cruzando a Estrada de Ferro Campos do Jordão e tomando a Av. Ernesto Diedericksen (avenida do Hotel Toriba). Seguir a sinalização – Pico do Diamante / Estrada Gavião Gonzaga (ou o Totem que indica TARUNDU).

Após o Hotel Toriba permaneça à direita (no asfalto) na estrada Paulo Costa Lenz César. Ao seguir essa estrada por 300m, você cruza a Estrada de Ferro uma segunda vez. Permaneça nessa estrada (e aproveite a beleza do lugar) por mais 1.500m e vai encontrar a Estrada de Ferro novamente.

Após cruzar a Estrada de Ferro pela terceira vez você já visualiza uma placa de madeira rústica escrita em branco, entre à direita e siga por cerca de 400 metros. A Recepção do Amantikir fica à esquerda.

Feriadão em Campos do Jordão

Frio… calor… frio… calor… frio…
Bota casaco…. tira casaco… bota casaco… tira casaco… bota casaco…

Assim foram os meus 4 dias em Campos do Jordão. A oscilação de temperatura foi intensa. Fazia bastante calor durante o dia, mas quando chegava à noite a temperatura caia extremamente, indo, muitas vezes, de 32º para 8º graus. Mas, vou te contar, que essa brincadeira de frio e calor ajudou ainda mais para a viagem ser maravilhosa. Em um só lugar, poder curtir um céu limpo e ensolarado, indo a cachoeiras, fazendo trilhas, contemplando a natureza, e nesse mesmo lugar você poder se vestir bem e sair à noite para curtir um friozinho e comer em bons restaurantes, não acontece todo dia, não é mesmo? Então, aproveitei bastante essa oportunidade.

Pela extensão da viagem, creio que vocês irão compreender melhor se eu explicar como foram meus dias de acordo com o roteiro que organizei.

Vila Capivari

Quinta
Na quinta, acordamos bem cedo e partimos para pegar o ônibus da viação Sampaio (existem poucos horários de ida e volta da Rodoviária Novo Rio). Devido ao fato de ser um feriado nacional, chegamos lá mais tarde do que planejamos, então só deu para fazer o check-in, guardar nossas coisas na Pousada Miniférico e ir comer, estávamos esfomeados. Ps: Falei “estávamos” e não estava, pois essa foi mais uma aventura que fiz junto com minha mãe. Ela novamente se dispôs a embarcar nas minhas viagens intensas e meio malucas.

Depois de “matar” a nossa fome, resolvemos dar uma volta na cidade para conhecer a famosa Vila Capivari. Este charmoso bairro é bastante movimentado durante dia e noite. O circuito formado pela Rua Doutor Djalma Forjaz, pela Avenida Macedo Soares e pela Praça São Benedito reúne uma infinidade de lojas, restaurantes, galerias de arte e praças.

Circulamos e conhecemos tudo que podíamos. O bom foi que “dominamos” o território e nos preparamos para os próximos dias, que seriam bem cheios.

Sexta

Amantikir – Mirante Belvedere

Mais “enturmados” com a região, acordamos cedo novamente (coisa que aconteceu todo dia), e fomos em busca do nosso primeiro destino: o Amantikir.  Inaugurado em 2007, o parque reúne 22 jardins com espécies vindas de diversos países como Inglaterra, Austrália, Alemanha e Japão, e, além disso, conta com dois incríveis labirintos, e atividades que aguçam a criatividade do visitante. Sem dúvida alguma este foi o passeio que mais gostei entre todos que tive a oportunidade de conhecer.
Funcionamento: Todo dia, das 8h30 ás 17h
Ingresso: R$ 40 (inteira) / R$ 20 (meia)
Endereço: Estrada Paulo Costa Lenz César, Km 2,8

Depois de rodar bastante pelos jardins, realizamos outro passeio que já era bem conhecido de nome: a Vista Chinesa.  Queríamos também aproveitar que já estávamos perto do local, o táxi na região é bem caro e, para quem não tem carro ou está com excursão, é a única forma de chegar no local. No mirante você pode apreciar as magníficas montanhas que envolvem o Vale do Lajeado, entretanto é a mesma vista que você pode ter do Mirante Belvedere, que fica dentro do Amantikir. Então só vá nesse outro ponto se você estiver com tempo sobrando.
O mirante fica próximo ao Portal de entrada de Campos do Jordão, quase no final da Rodovia SP-123, fique atento ao trânsito e respeite suas regras, pois o mirante fica localizado ao lado esquerdo da rodovia.
Caso você esteja na Vila Capivari, siga na avenida principal que dá acesso a saída da cidade, passe o Portal de Campos e siga na Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro.

Trem das Mansões

Chegamos desses passeios ainda com gás e, depois de comer um Pastelão do Maluf, partimos em busca de uma nova atividade, mas nada muito exaustivo, pois como vocês já devem ter percebido, no dia seguinte iríamos acordar cedo novamente. Pesquisamos e fizemos o passeio de Trem pelas Mansões, ele custa R$25 reais, dura cerca de 1 hora e leva, também, para conhecer a Ducha de Prata.

A Ducha de Prata nada mais é que a união de diversas cachoeiras e duchas artificiais, que podem ser acessadas por deck’s cercados por bancas que vendem souvenirs. No local também é possível chegar de ônibus (confirmar o nome do bus com os moradores locais).
Funcionamento: todos os dias
Entrada: de graça
Endereço: Av. Senador Roberto Simonsen – Vila Inglesa

Ducha de Prata

Sábado
Não podíamos gastar mais dinheiro com táxi, o que sobrou estava reservado para ir a Pindamonhangaba, então organizamos todo o trajeto de sábado utilizando ônibus como meio de transporte. Por sorte, descobrimos um, que tinha como ponto final o Horto Florestal, o nosso primeiro destino do dia.

Horto Florestal

O Horto é a maior reserva de araucárias do Estado de São Paulo, ele funciona como um refúgio dentro da cidade. Além de contar com uma extensa área familiar, o parque conta com algumas trilhas abertas ao público: a da Quatro Pontes (2 km); a da Cachoeira da Gargalhada (4,7 km); e a do Rio Sapucaí (2,6 km). Destaco que eu e minha coroa fizemos a trilha da cachoeira, bem tranquila por sinal.
Entrada: Gratuita
Endereço: Av. Pedro Paulo, s/n – horto florestal

Depois do Horto, aproveitamos a proximidade e fomos para o Borboletário Flores que Voam. Um jardim de 500 metros quadrados onde podemos observar de perto mais de 35 espécies de borboletas.
Funcionamento: Quarta a domingo, das 10h às 15h
Ingresso: R$ 30 (inteira) / R$ 15 (meia)
Endereço: Av. Pedro Paulo nº. 7997 – casa 01, Km 10 do caminho do Horto Florestal

Bastantes passeios em um só dia, né? Mas queríamos mais. Somos hiperativos. Assim que chegamos no centro andamos até o Morro do Elefante, ponto mais popular do lugar. Estava hiper lotado. Até por isso, não subimos de teleférico, a fila estava demorando horas. O topo do morro fica a 1800 metros de altitude, mas dá pra chegar tranquilamente a pé, de ônibus (escrito Morro do Elefante no letreiro) ou de carro.
Entrada: Gratuita
Endereço: Parque Capivari

Morro do Elefante

Domingo
No domingo não podiamos enrolar muito, nossa volta estava marcada para às 16h, então deixamos só o Pico e o Lago de Itapeva como destinos.

O Pico do Itapeva conta com uma das vistas mais bonitas da Serra da Mantiqueira. Apesar de não ser tão popular, coloque esse passeio no seu roteiro, a vista é incrível. E, como se o pico não fosse suficiente, no local existe também um lago, que é um cenário perfeito para fotos.
Entrada: gratuita
Como chegar: Partindo da Praça da Vila Capivari, centro turístico, entrar na primeira a direita, seguir as placas que indicam o Tênis Clube e a Ducha de Prata na Av. Senador Roberto C. Simonsen, um pouco mais adiante você vai avistar o Hotel Quatre Saison, vire à direita e siga em frente até o fim do asfalto onde localiza-se o Pico do Itapeva.

Pico de Itapeva

Campos do Jordão me deu: frio, calor, diversão, boa comida, gargalhadas, energia e sede de mais. Assim foi mais uma viagem. Cheia de coisas boas, cheia de experiências novas.

Aproveite sua vida! Não deixe o tempo passar em vão. Se não puder fazer essa, faça outra, mas faça!

A intensa trilha do Peito do Pombo

Foram 1400 metros de altitude, 5h20 (ida e volta) de esforço e superação, 15 km de suor e fadiga. Mas tudo valeu à pena! Tudo valeu muito à pena!
A trilha do Peito do Pombo, localizada dentro da APA de Sana, no município de Macaé, é um dos percursos mais famosos do estado do Rio de Janeiro. Eu, como bom trilheiro, não podia deixar essa passar, então… juntei bons amigos e fomos em busca de conquistar esse percurso.

Posso dizer que a caminhada foi hard, mas o visual lá de cima recompensa o cansaço. Vou contar detalhadamente para vocês como foi a experiência nessa trip.

Fomos para sana passar o fim de semana, queríamos curtir o local e não só o Peito do Pombo. No sábado, rodamos por todas as cachoeiras e pela vila. No domingo, acordamos bem cedo, e fomos em busca da nossa “missão”. Querendo saber mais sobre minha volta pelas cachoeiras clique nesse link.
Mata adentro
O primeiro trecho de mato é relativamente bem leve, é uma subida que leva também para as cachoeiras, ou seja, muita gente passa por essa parte tranquilamente. É, basicamente, seguir reto. Depois de passar pelas porteiras das cachoeiras você irá passar também por uma pousada e por um sítio, os dois com as placas bem fáceis de serem avistadas.

O segundo trecho de mato já não é tão fácil, apesar da subida continuar sendo praticamente no mesmo nível, começam aparecer bifurcações. A dica é sempre ir para a direita. Não sei para onde os outros caminhos irão dar, mas sei que pela direita você irá chegar no rio, depois de caminhar bastante e passar por algumas porteiras. Ah… se tiver chovido no dia anterior, esta é a parte do percurso onde você vai encontrar mais lama.

Passando pelo rio
A parte do rio é bem fácil, dá para passar tanto pelas pedras quanto por dentro do rio, molhando apenas os pés. Mas depois de passar que complica, é a parte que as pessoas geralmente se perdem, inclusive eu (risos). Se não fosse um amigo local ter nos gritado e orientado, talvez nunca tivéssemos achado a entrada certa.

Assim que você sair do rio dará de cara com uma placa azul, cheia de avisos, é aí que você deve passar, dê a volta em torno dos arames. Não fique procurando uma porteira, pois ela não existe mais.

O pasto e o boi bandido
No pasto a subida já começa a ficar um pouco mais íngreme, mas não é isso que assusta. O que assustou a gente foi um boi, em especial, que, ao contrário dos outros, estava mugindo bastante e pronto para o ataque. Então caminhe com atenção e rapidez.

Subindo pela floresta
A subida mais intensa de toda a trilha começa neste local. É bem íngrime e com degraus naturais bem espaçados, por isso a força nas pernas se faz muito necessária. Além disso, há pelo menos 3 pontos que precisam do auxílio de corda para subir.

Depois de passar por todas estas etapas, é só subir a pedra e “partir para o abraço”, seu objetivo terá sido conquistado. Terá duas opções de mirantes: o debaixo da pedra, que mostra o incrível visual de sana, e um mirante um pouco mais alto, que dá uma vista especial para a Pedra do Peito do Pombo.

Ficamos lá em cima um pouco, curtindo a paz do lugar, mas não demoramos muito, pois estava bem frio e tínhamos hora para voltar. A descida foi bem mais fácil e rápida.

Depois de todo esse percurso, só pude agradecer a Deus pela oportunidade que tive e vir aqui indicar para vocês essa inesquecível trilha.

Ps: Se, por algum momento, achar que pode se perder procure um guia. Melhor pagar e ser guiado corretamente, do que passar horas perdido na mata e precisar de socorro.
Como chegar

Carro: Chegando em Casimiro de Abreu, o motorista deve seguir pela BR-142, subindo a serra no sentido Nova Friburgo e desviar para Barra do Sana, pegando a Estrada Frade-Sana, passando pelo Portal do Sana, na ponte da Amizade (que cruza o Rio Macaé), até o Arraial do Sana. A Estrada Frade-Sana é uma estrada de terra em péssimas condições, com muitos buracos e pedras. É curta. Tem em torno de 6 km de extensão apenas, mas exige bastante atenção do motorista pra não danificar o carro.

Ônibus:
Chegar de ônibus na região é relativamente fácil, apesar de cansativo. Basta pegar um ônibus para Casimiro de Abreu, saltar na rodoviária, e depois pegar um ônibus direto para Sana, eles passam de 2 em 2 horas. Tenha cuidado para não chegar muito cedo para não ficar mofando e nem muito tarde para não perder o último bus.

A positividade de Sana

Distrito de Macaé, o vilarejo de Sana esbanja paz e positividade. No lugar, além de calmaria e diversão, encontramos um contato íntimo com a natureza, através do famoso circuito das águas, pertencente a Área de Proteção Ambiental do Sana, e a pesada trilha do Peito do Pombo.

Arraial do Sana é bem pequeno, dá para ser percorrido, tranquilamente, a pé, ou seja, é um lugar fácil de se montar um roteiro. Exatamente por esse motivo já chegamos no local bem determinados a fazer o que planejamos: conquistar tudo que pudéssemos em um só fim de semana.
Começamos nossa empreitada indo em direção ao circuito das águas. Para chegar até o início dessa leve trilha, é preciso atravessar uma pequena ponte, andar alguns minutos por uma estradinha de terra, passando por um estacionamento pago, até a guarita de entrada. Nesta guarita o visitante terá que se registrar e pagar um valor de R$10,00 para poder seguir pelas cachoeiras.

Depois de pagar, irá andar poucos minutos e avistará a primeira bifurcação, com uma placa indicando o caminho que leva a Cachoeira do Escorrega. Este tobogã natural ficou muito popular devido a diversão que proporciona e sua acessibilidade a todos os públicos. Como é um local que não oferece grandes riscos, muitas famílias frequentam esta cachoeira.

Já escorregou bastante? Então vamos retornar a trilha principal e seguir adiante. O caminho se torna uma subida um pouco mais íngreme e escorregadia. Em poucos minutos irá aparecer uma segunda bifurcação. Para continuar no circuito das águas o visitante deverá virar à esquerda, passar um portão de madeira e seguir a trilha atravessando um rio. Observe bem as setas indicativas e muito cuidado ao atravessar o rio sobre as pedras.

Passando pelo rio, a trilha vira uma subida um pouco mais íngreme e fica mais fechada. Em pouco tempo de caminhada você irá encontrar uma descida, à direita, que leva ao poço da Cachoeira Mãe (tem esse nome por ser possível visualizar o rosto de Nossa Senhora na queda d’água). Será preciso descer pela rocha com auxílio de uma corda. Lá embaixo tem um bom ambiente onde as pessoas ficam relaxando. Algumas pessoas saltam do alto da rocha direto no poço.
Voltando à trilha, você deverá subir mais um pouco para encontrar a Cachoeira Pai. Uma queda d’água de aproximadamente 15 metros caindo direto num poço bem fundo. Nesse poço também é possível saltar, mas tenha cuidado, já ocorreram acidentes no local, então pergunte aos funcionários se a cachoeira está em condições apropriadas para saltos. Do poço da Cachoeira Pai se tem acesso à Cachoeira Filho. As pessoas costumam descer escorregando por ela até o poço mais abaixo.

Mais à frente, após a Cachoeira Pai, chegamos a última cachoeira: a Cachoeira Sete Quedas. Esta cachoeira é composta por uma queda d’água que segue por 7 degraus em harmonia com a natureza. Essa cachoeira, juntamente com as cachoeiras do Pai, Mãe e Filho, formam o Circuito das Águas. Passando por esta cachoeira, é possível atravessar o rio e subir por uma trilha curta, no meio da mata, que leva até a trilha do Peito do Pombo. Apesar dessa boa possibilidade, preferimos retornar e deixar para fazer esta outra trilha no dia seguinte, bem cedo, com mais calma.
No domingo, assim que o sol nasceu, nos arrumamos e partimos para a trilha do Peito do Pombo, seguindo o caminho sem passar pelas cachoeiras e sem ter que pagar nenhuma taxa. A exaustiva trilha levou cerca de 5h20, ida e volta, e nos presenteou com uma linda vista lá do alto. Posso dizer que essa trilha, de 1400 metros de altitude, merece ser conquistada por todos que passarem pela região. Para quem quiser saber mais detalhes sobre a minha experiência sobre esta trilha é só clicar neste link.
Foquei mais em lhe contar sobre os passeios naturais, até porque é o que tem de melhor no local. Mas saiba que tudo em Sana respira boas vibrações, isso vai da natureza as pessoas, por isso que curto tanto está por lá.

Como chegar

Carro: Chegando em Casimiro de Abreu, o motorista deve seguir pela BR-142, subindo a serra no sentido Nova Friburgo e desviar para Barra do Sana, pegando a Estrada Frade-Sana, passando pelo Portal do Sana, na ponte da Amizade (que cruza o Rio Macaé), até o Arraial do Sana. A Estrada Frade-Sana é uma estrada de terra em péssimas condições, com muitos buracos e pedras. É curta. Tem em torno de 6 km de extensão apenas, mas exige bastante atenção do motorista pra não danificar o carro.

Ônibus:
Chegar de ônibus na região é relativamente fácil, apesar de cansativo. Basta pegar um ônibus para Casimiro de Abreu, saltar na rodoviária, e depois pegar um ônibus direto para Sana, eles passam de 2 em 2 horas. Tenha cuidado para não chegar muito cedo para não ficar mofando e nem muito tarde para não perder o último bus.

Travessia Tupinambá: a maior trilha ecológica de Nikity

Para a alegria dos trilheiros, mais uma trilha foi inaugurada em Niterói. A Travessia Tupinambá, um percurso de aproximadamente sete quilômetros que liga São Francisco a Piratininga, chegou com tudo! A caminhada, que nos possibilita observar belas paisagens de diferentes pontos de vista, sítios históricos, um córrego e toda riqueza natural que a cidade sorriso proporciona, vai se popularizando e, logo logo, vai se tornar mais um ponto certo a ser frequentado pela galera do treeking.
A trilha pode ser acessada pelos dois extremos do percurso: Parque da Cidade ou Jardim Imbuí (a partir da Rua dos Corais). A opção de começar pelo parque é a melhor, pois a parte mais íngreme do passeio é a subida por Imbuí.

Ao meu ver, a travessia pode ser considerada leve, concluímos em 2h30, com muita tranquilidade e sem grandes desafios. Por ser uma mata bem fechada também não tivemos muita exposição ao sol. Talvez a única dificuldade da trilha, no momento, é o fato dela está bem popular, ou seja, está ficando bastante cheia, mas nada que boa educação e simpatia não dê jeito.

Finalizo o post destacando que o ponto mais bonito da travessia é o Mirante da Tapera, localizado de frente para o Pão de Açúcar e de onde se tem um ângulo único para as Praias da Região Oceânica e as montanhas do Rio. Ah… também deixo aqui o link do post específico sobre o Parque da Cidade, para quem for começar o passeio por lá.

Uma boa surpresa chamada Taberna do Darwin

Era mais um dia comum de trabalho, quando uma amiga veio me falar que tinha descoberto um lugar que era a minha cara. Eu, muito curioso, indaguei qual era esse tal lugar e ela me respondeu de imediato: a Taberna do Darwin. Prestei atenção em tudo que ela falou, anotando detalhadamente, pois já dizia Charles Darwin:”a atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana”.

Enfim apareceu a oportunidade (grana) para ir ao local e, logo depois de voltar de lá, tive que vir aqui contar para vocês o privilégio que foi conhecer um dos melhores restaurantes de Niterói.

Localizado nos Caminhos de Darwin, na Rua Pau Brasil, no Engenho do Mato, a Taberna do Darwin é um restaurante impar e que deve ser colocado entre os pontos turísticos da cidade sorriso. Além de ter um chefe de cozinha conceituado, o restaurante apresenta ótimas opções de pratos e vinhos, um ótimo atendimento, uma vista incrível para natureza e uma estrutura que nos faz sentir parte do ambiente.

Apesar de ser um lugar que está ficando cada vez mais famoso, principalmente depois da matéria do New York Times, ele só fica aberto nos finais de semanas e feriados nacionais, das 12h às 17h, e também só aceita dinheiro ou cheque como pagamento.

Se você é esfomeado, como eu, e está querendo saber logo mais detalhes sobre a comida, chegou a bendita hora. Primeiramente vale destacar a forma que eles organizaram o cardápio. Foram apresentados 3 tipos diferentes de pratos quentes, no valor de R$89,00 cada, Buffet Vegano sem limite, no valor de R$95,00, 3 tipos de sobremesas, no valor de R$25,00 cada, e o Cardápio Completo (Buffet Vegano sem limite + Prato Quente + Sobremesa) no valor de R$ 112,00. Ps: Esses valores são referentes ao dia 19/8/17. Para confirmar cardápios e valores entrar em contato com o respectivo restaurante através do telefone ou página no facebook.

Eu escolhi a opção completa por achar que era a mais vantajosa pela disposição que estava em comer (risos). Inicialmente comecei com um Magret de Canard com Laranja & Gateau de Mandioca & Alho Poró (prato quente), logo depois provei todas as possibilidades de comida vegana do buffet e, para finalizar, escolhi como sobremesa uma Torta Mousse de Chocolate com Avelas, ‘Parfait’ de Coco e Tuille de Amendoas. Enfatizo que tudo estava maravilhoso.

Depois de comer, fiquei conversando e descobri uma curiosidade sobre o local:  a possibilidade de hospedagem. É um outro diferencial que achei interessantíssimo, mas não posso falar muito, pois não tive a oportunidade de experimentar, caso isso um dia ocorra altero essa parte da postagem colocando mais detalhes. Até lá, caso tenha ficado curioso, entre em contato através da fanpage clicando no link que deixei na parte superior.

Quem me acompanha sabe que na parte gastronômica do blog eu não saio detalhando todos os restaurantes que vou, pelo contrário, dou o devido destaque só aos restaurantes ou pratos que me impressionam de alguma forma especial. Este lugar, que mistura natureza com gastronomia, é realmente a minha cara, e de todos que curtem essa rica combinação.