Uma boa surpresa chamada Taberna do Darwin

Era mais um dia comum de trabalho, quando uma amiga veio me falar que tinha descoberto um lugar que era a minha cara. Eu, muito curioso, indaguei qual era esse tal lugar e ela me respondeu de imediato: a Taberna do Darwin. Prestei atenção em tudo que ela falou, anotando detalhadamente, pois já dizia Charles Darwin:”a atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana”.

Enfim apareceu a oportunidade (grana) para ir ao local e, logo depois de voltar de lá, tive que vir aqui contar para vocês o privilégio que foi conhecer um dos melhores restaurantes de Niterói.

Localizado nos Caminhos de Darwin, na Rua Pau Brasil, no Engenho do Mato, a Taberna do Darwin é um restaurante impar e que deve ser colocado entre os pontos turísticos da cidade sorriso. Além de ter um chefe de cozinha conceituado, o restaurante apresenta ótimas opções de pratos e vinhos, um ótimo atendimento, uma vista incrível para natureza e uma estrutura que nos faz sentir parte do ambiente.

Apesar de ser um lugar que está ficando cada vez mais famoso, principalmente depois da matéria do New York Times, ele só fica aberto nos finais de semanas e feriados nacionais, das 12h às 17h, e também só aceita dinheiro ou cheque como pagamento.

Se você é esfomeado, como eu, e está querendo saber logo mais detalhes sobre a comida, chegou a bendita hora. Primeiramente vale destacar a forma que eles organizaram o cardápio. Foram apresentados 3 tipos diferentes de pratos quentes, no valor de R$89,00 cada, Buffet Vegano sem limite, no valor de R$95,00, 3 tipos de sobremesas, no valor de R$25,00 cada, e o Cardápio Completo (Buffet Vegano sem limite + Prato Quente + Sobremesa) no valor de R$ 112,00. Ps: Esses valores são referentes ao dia 19/8/17. Para confirmar cardápios e valores entrar em contato com o respectivo restaurante através do telefone ou página no facebook.

Eu escolhi a opção completa por achar que era a mais vantajosa pela disposição que estava em comer (risos). Inicialmente comecei com um Magret de Canard com Laranja & Gateau de Mandioca & Alho Poró (prato quente), logo depois provei todas as possibilidades de comida vegana do buffet e, para finalizar, escolhi como sobremesa uma Torta Mousse de Chocolate com Avelas, ‘Parfait’ de Coco e Tuille de Amendoas. Enfatizo que tudo estava maravilhoso.

Depois de comer, fiquei conversando e descobri uma curiosidade sobre o local:  a possibilidade de hospedagem. É um outro diferencial que achei interessantíssimo, mas não posso falar muito, pois não tive a oportunidade de experimentar, caso isso um dia ocorra altero essa parte da postagem colocando mais detalhes. Até lá, caso tenha ficado curioso, entre em contato através da fanpage clicando no link que deixei na parte superior.

Quem me acompanha sabe que na parte gastronômica do blog eu não saio detalhando todos os restaurantes que vou, pelo contrário, dou o devido destaque só aos restaurantes ou pratos que me impressionam de alguma forma especial. Este lugar, que mistura natureza com gastronomia, é realmente a minha cara, e de todos que curtem essa rica combinação.

Anúncios

A vez que o Jeca salvou o dia

Vou te falar que minha história não começa feliz…

Tínhamos acabado de chegar na cidade. Assim que chegamos começou a chover. A chuva durou o dia todo. Não cessou nem por um segundo. Já estávamos frustrados. Aí… chegou aquela hora boa: comer! Não podíamos errar no jantar e também não podíamos ir muito longe, pois sabe como é né?! A vila de Maromba (Itatiaia/RJ) fica em um local que a mistura de lama com asfalto, depois de muita chuva, fica inevitável.

Depois de muito rodar, por onde era possível, acabamos parando no restaurante com o nome mais inusitado, o Jeca Tatu. A escolha foi assim mesmo, não teve embasamento ou indicação, foi pura intuição, mas posso afirmar que a partir dessa escolha aquele primeiro dia de viagem começou a ser lembrado de uma forma mais prazerosa.

Restaurante Jeca Tatu conta com um ótimo atendimento e uma música ambiente muito animadora, ainda mais naquele tempinho frio. Sabe aquele cantinho que você vai e te faz lembrar do clima e sabor do interior? Então, lá é assim. O ambiente é leve, harmonioso e dá vontade de ficar mais. Além disso, tem a principal coisa que, na minha opinião, um restaurante deve ter: uma comida muito boa e barata!

Comemos um belo baião de dois, como pode ver na foto que está na parte inferior. Ele serve tranquilamente 3 pessoas e fica custando no máximo R$30,00 para cada, ou seja, dá pra ficar estufado comendo bem, o quê pode ser melhor?! (risos)

O local me animou tanto que no final de um dia que estava sendo chato eu já estava até acompanhando os músicos cantando uma música que eu nem conheço.

Indo ao 41º andar para comer no Terraço Itália

A Home do site do restaurante Terraço Itália é iniciada com a seguinte frase “Um ótimo motivo para subir até o 41º andar”. Será que podemos acreditar nisso?

Bom… Não sou um especialista em gastronomia, mas posso dizer que já comi em muitos lugares e é essa experiência que utilizo para dar as minhas opiniões sobre o tema. Eu adorei! Posso dizer tranquilamente que adorei. O lugar, além de ter ótimas opções de pratos, conta com mais duas outras coisas impactantes: uma vista única da cidade de São Paulo e o som de um piano bem tocado.
Pelas informações que consegui obter, o restaurante, que fica na Avenida Ipiranga – 344 , conta com essas opções de reserva: Almoço, Jantar Nobre ao som de piano, Jantar Panorama música ao vivo e Jantar São Paulo ao som de piano. As opções não são baratas. As massas partem de R$90 chegando a R$180. O menu degustação custa em torno de R$230. Realmente dói o bolso, mas as partes boas são que os pratos demoraram cerca de 15 minutos para chegar, a porção é bem generosa e a apresentação é nível “Masterchef”.

Eu comi esta opção: Massa seca com funghi e camarão flambado ao brandy

O Terraço Itália, em funcionamento desde 1967, goza de todo prestígio e requinte necessário para um bom restaurante, mas possui um menu que não é acessível para todos os públicos. No lugar, você provavelmente irá encontrar pessoas de boa situação financeira ou curiosos, assim como eu, que vão nesses tipos de restaurantes apenas uma vez na vida (risos).

Já provou o Chivito uruguaio?

O prato típico uruguaio é uma mistura de sabores e variedades. Trata-se de um sanduíche, geralmente elaborado com filet de carne macia feita na chapa, presunto (jamón), mussarela, bacon (pancetta), alface (lechuga), fatias de tomate e ovo cozido com maionese, que vem acompanhado de uma porção de batatas fritas ou salada de batatas (ensalada rusa).
Cada restaurante tem seu tipo especial de chivito. Os mais tradicionais são os chivitos al pan (com pão), al plato (sem pão) e os chivitos canadienses, que levam outros ingredientes como pimentão, azeitonas e pickles.

Há mais de 70 anos, no El Mejillon, um pequeno restaurante de Punta Del Este entrava, a altas horas da madrugada, uma viajante argentina e pedia alguma coisa rápida para comer… A cozinha estava fechada, mas Antônio Carbonaro, o proprietário do lugar, tinha a filosofia de que ninguém poda sair mal servido de seu recinto e por tanto, improvisou o primeiro Chivito. A cliente gostou tanto que, a partir disso, o El Mejillon começou a servir mais de 1000 chivitos por dia.

Quer preparar um Chivito caseiro ? Segue a receita:

Ingredientes

  • Alcatra
  • 4 pães de hambúrguer
  • 4 folhas de alface
  • 1 tomate cortado em rodelas
  • 4 fatias de presunto
  • 4 fatias de queijo mussarela
  • 4 tiras de bacon
  • 4 ovos
  • Maionese
  • Sal

Preparo

  1. Fatie a Alcatra com cerca de 1/4 de polegada de espessura. Tempere a carne com sal a gosto e em uma frigideira ou chapa muito quente, coloque um pouco de azeite e frite a carne.
  2. Frite os ovos, pedaços de bacon e fatias de presunto e quando a carne estiver pronta, coloque em cima o ovo frito, bacon, presunto e uma fatia de queijo mussarela. Espalhe a maionese no pão e decore o prato com o alface e os pedaços de tomate.
  3. Por sua natureza o chivito é servido com o pão fechado, como um sanduíche, mas muitas pessoas preferem que o chivito seja servido no prato.

Enviei algumas dicas, porém indico que você use sua criatividade e invente o seu próprio chivito.