O que é que Salvador tem ?

“Ah, que bom você chegou, bem-vindo a Salvador, coração do Brasil.” Realmente, Salvador é a cara do Brasil. Diferenças sociais claras e grandes riquezas culturais. Centro de diversidade que em certos momentos dá medo, por causa dos saqueadores de plantão, mas que também dá muito prazer devido a animação do baianos de bom coração.

Pelourinho

Minhas aventuras por terras soteropolitanas começaram, e só tiveram a devida graça, por causa de três maravilhosas pessoas que me acolheram e mostraram o que a “cidade do carnaval” tem de melhor. Convivi com baianos e como baiano.

Apesar de irmos para os pontos turísticos de carro, quando utilizei o ônibus não tive dificuldades, lá é tudo bem perto e a passagem custa em torno de R$3 reais, bem mais barata que no Rio. E ainda tem o metrô, que eu não usei, mas os amigos falaram que é bem útil e prático. Deixo essa dica no ar.

Mas vamos ao que interessa: os passeios!

No primeiro dia fizemos um tour e tanto, rodamos o Pelourinho, as igrejas, subimos o Elevador Lacerda, conhecemos o Mercado Modelo e concluímos um dia lindo vendo o final do entardecer na Ponta do Humaitá.

Pelourinho
Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o bairro na Cidade Alta, tem mais de 800 casarões dos séculos 17 e 18. Vielas, ladeiras e largos concentram igrejas, museus, restaurantes, lojas e um vaivém de gente de todo o mundo. Para chegar ao local de forma prática é só pegar o Elevador Lacerda. Sem dúvidas o “Pelô” é o lugar mais mágico de Salvador.

Igreja e Convento de São Francisco
Centenas de quilos de ouro enchem de brilho os altares da igreja mais rica do país. Considerado um dos mais extraordinários monumentos do barroco mundial, o templo de São Francisco foi erguido em 1723. O desenho que as casinhas fazem ao seu entorno é algo surreal.
Obs: Evite os horários de missa (3ª, às 7h, 8h, 16h e 18h, sábado, às 7h30, domingo, às 8h), quando a entrada é grátis, mas é proibido circular pela capela e visitar o claustro.
Funcionamento: 2ª, das 9h às 17h30, 3ª, das 9h às 16h, 4ª a sábado, das 9h às 17h30, domingo, das 10h às 15h.
Entrada: R$ 5,00. A visita pode ser feita sem monitoria.
Endereço: Largo do Cruzeiro de São Francisco (Pelourinho)

Igreja do Bonfim
A igreja do Senhor do Bonfim não é a mais bonita, mas com certeza, é a mais famosa da cidade em função das fitinhas que são amarradas em suas grades (aproveite a visita e faça seu pedido). Esteja preparado para o assédio de vendedores de fitinhas e de pedintes.
Endereço: Largo do Bonfim – Cidade Baixa

Elevador Lacerda
A maneira mais original de circular entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa é através deste elevador. Com 72 metros de altura, liga a Praça Tomé de Souza (parte alta) à Praça Cairu, onde fica o Mercado Modelo. Restaurado em 2002, ganhou nova iluminação noturna e janelas panorâmicas que descortinam o cais e o mercado.
Entrada: O valor simbólico de R$0,15 centavos
Endereço: Cidade Alta – Praça Tomé de Souza, s/n | Cidade Baixa – Praça Visconde de Cairu, s/n

Mercado Modelo
Considerado um dos principais pontos de vendas de artesanato, o mercado abriga cerca de 270 lojas, com os mais variados tipos de mercadorias, presentes e lembranças.
Endereço: Praça Visconde de Cayru, s/n – Comércio

Ponta do Humaitá
Um dos lugares mais charmosos da região nos privilegia com uma vista da Baía de Todos-os-Santos e um pôr do sol espetacular (mais bonito que o do farol). Vale ressaltar que esse cantinho da Bahia ainda não é tão popular, então aproveite para ir agora que ainda é possível curtir o ambiente com tranquilidade.

No segundo dia, optamos por fazer um percurso mais tranquilo, aproveitamos mais das riquezas naturais e dos sabores locais. Demos uma volta na praia do Farol da Barra, vimos o pôr do sol no farol e fechamos o pacote com chave de ouro, dando uma voltinha a noite no Rio Vermelho.

Praia do Farol da Barra
Cenário das grandes comemorações da cidade, como o Reveillon, tem como destaque o Forte de Santo Antônio. À noite, o movimento é intenso por conta dos bares e restaurantes.
Endereço: 206, R. do Gavaza, 24 – Barra

Noite no Rio Vermelho com acarajé
Um dos pontos mais badalados, principalmente pela galera mais jovem. Vá a noite, pois é o horário que o movimento aumenta com a abertura de bares e restaurantes, que espalham mesinhas na calçada.

Praia do Farol da Barra

Parece pouco, mas dois dias foram suficientes para conhecer bastante de Salvador. Não fui embora sentindo falta de ter conhecido algo. Foram dias intensos. Além dos pontos de maior curiosidade, comi em diversos restaurantes locais e, por destino, conheci também o teatro baiano, através da atuação dos formandos da UFF em uma poderosa peça dramática (a apresentação foi linda). Ou seja, foram dias com tudo que a Bahia tem de melhor: pessoas, alegria, espetáculo, cultura, turismo, comida, arte e vida!

Anúncios