Um sonho chamado MAC

Oscar Niemeyer já dizia: “a gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem”. O MAC parece ter sido um daqueles sonhos que se acorda suando de tão impactante que foi. O Museu de Arte Contemporânea se tornou, além de um cartão-postal da cidade de Niterói, um expoente de cultura nacional. Em todos os países que passo as pessoas sabem que existe um famoso “disco voador” na cidade sorriso.
O museu, construído sobre o Mirante da Boa Viagem, na orla de Niterói, possui uma fachada futurista que possibilita que o visitante desfrute de uma vista panorâmica. Para chegar no local o viajante deve, caso venha da cidade do Rio de janeiro, ir até a Praça XV e pegar as barcas. Chegando em Niterói, ir para o Terminal Rodoviário João Goulart e pegar o ônibus 47b, que passa em frente ao museu. Existem outras opções de ônibus que deixam próximo ao local, mas você terá que caminhar um pouco: 17 (Centro/Charitas);  32 (Centro/Cachoeira); 33 (Centro/Jurujuba); 46 (Centro/Várzea das Moças); 47A (UFF Circular); 47 (Centro/Vital Brazil); 49 (Fonseca/Icaraí – circular); 53 (Centro/Santa Rosa); 60 (Ilha da Conceição/Icaraí – circular); 740D (Copacabana/Charitas); 750D (Gávea/Charitas); 760D (Galeão/Charitas); 775 (Gávea/Charitas)

O espaço conta, atualmente, com diversas exposições internacionais e atividades culturais e educacionais. Além disso, quem não tiver interesse em entrar no museu também pode apreciar a vista no pátio, que fico do lado externo, ou ir comer uma boa comida no bistrô.

Para os interessados em visitar, seguem alguns dados importantes:

Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/nº, Boa Viagem
Funcionamento: Museu, de terça a domingo, das 10 às 18h; Pátio, de segunda a domingo, das 8 às 18h (no horário de verão o pátio funciona até às 19h); Bistrô, de terça a sexta, das 10h às 17h | sábado e domingo, das 9h às 18h
Preço: R$10 (inteira / R$5 (meia)

O Rio aos “olhos” do Mirante Dona Marta

Poucos lugares mostram o Rio de uma forma tão clara. A 362 metros de altitude, o mirante apresenta o Pão de Açúcar, o Maracanã, a Baía de Guanabara, o Cristo Redentor, de uma forma limpa, como se fosse uma pintura recém criada.
Localizado no Parque Nacional da Tijuca, Santa Teresa,  o mirante pode ser encontrado através do percurso feito por carro/moto ou através da trilha. Não tem como subir de ônibus até lá em cima. Existem três caminhos possíveis:

De carro (saindo de Cosme Velho): Você vai seguir como se fosse para o Corcovado. Suba pela Estrada das Paineiras. Ela começa a Rua Alm. Alexandrino, na altura do nº 5088. Quando chegar à rotatória, siga pela esquerda em direção ao Mirante.

De carro (vindo pelo Parque Nacional da Floresta da Tijuca): Pegue a Estrada do Redentor e siga até o final. Quando você passar pelo Hotel das Paineiras, haverá uma bifurcação, siga pela direita, pegando a Estrada das Paineiras.

A pé ( pela trilha até o Mirante Dona Marta): Vá até o alto da Favela Santa Marta, usando o elevador inclinado, onde começa a trilha. São 30 minutos de caminhada, dependendo do seu ritmo. É um caminhada bem fácil.

Não é um lugar difícil de chegar, por isso encontra-se por lá pessoas de todas as idades. Ou seja, além de ser um lugar lindo é diversificado.
Um pouquinho de história…
O nome do lugar surgiu no final do século XVII, quando o padre Clemente comprou terras ali e deu ao morro o nome de sua mãe, Marta, para homenageá-la pouco depois da sua morte. Séculos depois, uma imagem de Santa Marta foi levada para o alto do morro e construíram uma capela para ela. A Favela Santa Marta começou com os funcionários do Colégio Santo Inácio, que receberam parte do terreno para a construção das casas.

Petrópolis: o lado imperial do Rio

Aproveitando o friozinho do inverno e que estava acontecendo o Bauernfest, resolvi ir para Petrópolis. Além de curtir a festa, também busquei conhecer um pouco mais da cidade histórica. Lá pode ser encontrada muitas das construções da época em que Dom Pedro II passava longas temporadas no destino. Muitos centros culturais funcionam em antigos palacetes e casarões do século 19. O Ministério da Saúde adverte: O frio de Petrópolis nos faz comer muito =x
13534547_1127788817243590_1897205136_nUm pouco dos lugares que conheci:

Museu Imperial
untitled-2-01
O Museu Imperial é um museu histórico-temático localizado no centro histórico da cidade de Petrópolis. Está instalado no antigo Palácio de Verão do imperador brasileiro Dom Pedro II. No lugar podemos encontrar um arsenal de quadros, mobiliários e joias da família imperial. Além disso, o lugar também conta com um ótimo jardim para fazer piquenique ou relaxar. O horário para visitação é de terça a domingo, das 11h às 18h, e os ingressos custam inteira: R$10,00 e Meia: R$5,00. A única coisa ruim do lugar é o fato de não podermos tirar nenhuma foto na parte interna do museu.

Catedral de Petrópolis

untitled-21-01
A Catedral é dedicada a São Pedro de Alcântara, padroeiro da cidade e da Monarquia Brasileira. Local certo de parada de todos os visitantes, religiosos ou não. Todo mundo quer tirar uma boa foto da linda estrutura, tanto de dia quanto de noite.

Museu Casa de Santos Dumont

untitled-22-01
O local, bem pequenino, foi residência de verão de Alberto Santos Dumont, Pai da Aviação, sendo conhecida como “A Encantada”. O museu conta com acervo de objetos, livros, cartas e mobiliário, bem como o chuveiro e a escada de entrada, com degraus em forma de raquete, que só se pode acessar começando com o pé direito. No Centro Cultural 14 bis, anexo à Casa, pode-se assistir a um curta metragem sobre Santos Dumont. O espaço tem acessibilidade e maquetes táteis para visitantes com necessidades especiais. A visitação do lugar acontece de terça a domingo, das 9h às 17h30 (bilheteria até as 17h). Ingressos: R$8,00 (inteira) / R$4,00 (meia entrada).

Cervejaria Bohemia

untitled-233-01
A Cervejaria Bohemia, fundada pelo alemão Henrique Kremer em 1853, é a primeira cerveja pilsen a ser produzida no Brasil. Apelidada pela família real de “Ouro liquido” pelo seu sabor apurado, se tornou uma marca da cidade de Petrópolis. O espaço mostra aos visitantes de forma interativa e lúdica a história, ritos, mitos e curiosidades. O complexo da Cervejaria Bohemia contempla produção in loco de suas variantes: Weiss, Escura, Confraria e Pilsen e de edições especiais da marca. Além disso, terá sempre em primeira mão para degustação dos visitantes várias criações do Mestre Cervejeiro exclusivo de Bohemia antes delas irem para o mercado. O horário de funcionamento ocorre às terças, quartas e quintas, das 13h às 16h30. Sextas, das 10h às 16h30. Sábados, domingos e feriados nacionais: das 10h às 18h30. A entrada custa R$ 27 (inteira) | R$ 13,50 (meia). Fato importante: eu, com minhas manias esquisitas, tenho costume de guardar algo de todo lugar que vou, então algo legal para guardar desse lugar é a garrafinha de cerveja personalizada.

Palácio de Cristal
img-20160626-wa0009
O Palácio tem a visitação guiada aberta, de forma gratuita, de terça a domingo, de 09h às 18h, e aos sábados conta com apresentações de danças folclóricas alemãs, a partir de 15h. Sua estrutura pré-moldada em ferro foi encomendada a uma fundição francesa pelo Conde D’Eu, sendo montada em Petrópolis pelo engenheiro Eduardo Bonjean. Foi inaugurado em 1884 com a finalidade de abrigar as já tradicionais exposições de produtos hortícolas e pássaros da região, que aconteciam em instalações provisórias no local. No Palácio, em abril de 1888, com a presença da Princesa Isabel foram libertados os últimos escravos de Petrópolis, em uma bela festa. Hoje recebe eventos culturais e exposições diversas.

Bauernfest (Para fechar com chave de ouro)
img-20160626-wa0028
Participei da 27ª edição da Festa do Colono Alemão de Petrópolis. A atração é a segunda maior do gênero no Brasil, o evento resgata as raízes germânicas da cidade com a chegada dos primeiros alemães em 1845. Marcada por muita dança e música folclórica, culinária típica e atrações culturais, a festa é a maior da cidade.

A dica é ir na época da festa, rodar os museus durante o dia e curtir a festa durante o período da noite.

 

 

Levando mamãe ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Hoje foi dia de levar mamãe ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro. O local possui um dos mais importantes centros de pesquisa mundiais nas áreas de botânica e conservação da biodiversidade.
dsc_1199Chegando lá, encontramos um local muito diversificado e tivemos a oportunidade de observar mais de 6 500 espécies de plantas, distribuídas em uma grande área de 54 hectares. O local fica aberto de 08h às 17h e tem o ingresso no valor de R$15 reais.

Entre as figuras de maior destaque de lá estão: O Chafariz Central (Chafariz das Musas), a Casa dos Pilões, o Orquidário, o Jardim Japonês, o Museu do Meio Ambiente (primeiro da América Latina que se dedica à temática socioambiental), e a famosa Palmeira-imperial (local popular por fotos famosas e cenas em novelas).

Você sabia?
Duas curiosidades que achei interessante compartilhar:

1º: O Chafariz das Musas não tem bomba para puxar a água. O sistema hídrico do equipamento conta apenas com a força da gravidade para fazer a água jorrar.
2º: A casa mais antiga da Zona Sul ainda de pé é o Centro de Visitantes do Jardim Botânico. Construída em 1576, ela era a sede do Engenho de Nossa Senhora da Conceição da Lagoa.

Como chegar?
Ônibus: Todas as linhas de ônibus que passam pelo Jockey têm ponto na Rua Jardim Botânico nº 1008.

Metrô: Os usuários do metrô podem pegar o ônibus de integração na Estação Botafogo e saltar na Rua Jardim Botânico nº 728, entrando no Jardim pela Rua Pacheco Leão nº 101. Para ir embora, o ônibus de integração para no ponto das tribunas do Jockey Clube, em frente à Praça Santos Dumont. Para os que saírem pela Rua Pacheco Leão nº 101, o ponto mais próximo está localizando na Rua Jardim Botânico nº 667.

Feira de São Cristóvão (RJ)

No período de festas juninas, uma ótima sugestão é ir na Feira de São Cristóvão, também conhecida como Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas ou Feira dos Paraíbas. O local ganhou nova roupagem, conta com aproximadamente 700 barracas, dois palcos para shows, praça de repentistas, museu e ótimos restaurantes.
dsc_0786-copiarO espaço, que funciona de sexta a domingo com programação ininterrupta, é um pedacinho do Nordeste no Rio de Janeiro. Além de ter uma ótima infraestrutura, lá também encontramos um povo animado, bem-disposto a comer, se divertir e dançar um forró. O local também funciona de terça a quinta-feira, porém é só para almoço.

Ótimo lugar para o povo do norte e do nordeste matar a saudade de casa, e também para o pessoal dos outros estados conhecerem um pouquinho das tradições nordestinas. A gastronomia do Nordeste é o que mais me atrai no local, comi um belo baião de dois com carne de sol no almoço, além de diversos doces durante o resto do dia. Adoro comer e um doce que nunca tinha provado e conheci no local foi a bala de cana, muito boa por sinal.

Não deixe de conhecer esse cantinho paraíba do Rio, vá a feira. Custa apenas R$ 5 reais, a meia-entrada.
untitled-1-01

Museu de Arte Moderna (RJ)

O museu que fica localizado no Parque do Flamengo, próximo ao Aeroporto Santos Dumont, apresenta uma estrutura inovadora.  Sua arquitetura é a obra mais conhecida do arquiteto carioca Affonso Reidy.  Apesar de o lugar ser lindo e contar com uma natureza alucinante, o local também está habitado por muitos moradores de rua, o que afasta um pouco o público, por medo de possíveis assaltos.
dsc_0750O espaço fica aberto à visitação de terça a domingo e conta com três andares de exposições. Achei o ingresso, no valor de R$14,00 reais, um pouco caro se compararmos com o preço das entradas dos outros museus do Rio.

Ainda assim, é um ponto turístico marcante e fundamental para quem quer fazer um tour completo pela cidade.

História
O episódio mais marcante da história do MAM ocorreu no dia 8 de julho de 1978, quando um incêndio causado ou por um cigarro ou por uma falha elétrica, destruiu 90% de seu acervo, principalmente obras de Picasso (cabeça cubista e um Retrato de Dora Maar), Miró, Salvador Dalí, Max Ernst, René Magritte, Ivan Serpa, Manabu Mabe e muitos outros, além de todos os trabalhos presentes em uma grande retrospectiva de Joaquin Torres García.

Após extensos trabalhos de restauração o Bloco de Exposições voltou, em 1982, ao funcionamento. Entre 1993 e 2002, o museu recebeu doações de coleções particulares de Gilberto Chateaubriand, cerca de 4.000 obras, inclusive telas de Cândido Portinari, Tarsila do Amaral, Lasar Segall, Di Cavalcanti e gravuras de Oswaldo Goeldi, entre outras.
dsc_0761

Museu do Amanhã (RJ)

Ancorado no Píer Mauá e vizinho do Museu de Arte do Rio (MAR), o Museu do Amanhã é o novo polo de cultura do Rio de Janeiro. O espaço tem por fora uma arquitetura inovadora assinada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava e que foi inspirada nas bromélias do Jardim Botânico. Por dentro, zonas interativas, uma sala de cinema 360 graus, e diversas peças culturais tecnológicas.
dsc_0080Além de tudo que já foi citado, o Museu também conta com um auditório que possui 400 lugares a serem utilizados para palestras e apresentações artísticas, um salão de exposições com 600 m² e um restaurante com vista panorâmica. Quem quiser almoçar no local poderá observar um monumento (denominada como diamante estrela semente ) na parte de trás do museu.
untitled-1-01O edifício que foi inaugurado em 17 de dezembro de 2015 e recebeu cerca de 25 mil visitantes em seu primeiro final de semana de funcionamento, tem a proposta de ser um museu de artes e ciências, além de contar com mostras que alertam sobre os perigos das mudanças climáticas, da degradação ambiental e do colapso social. O edifício conta com espinhas solares que se movem ao longo da claraboia, projetada para adaptar-se às mudanças das condições ambientais.

O espaço está aberto para visitação de terça a domingo, das 10h às 17h, e tem o ingresso no valor de R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). As terças a entrada é gratuita.
dsc_0091

Theatro Municipal do Rio de Janeiro + Real Gabinete Português de Leitura

Um passeio de curta duração, mas útil para quem quer conhecer um pouco mais da história do Brasil e para quem gosta de dar uma volta pelo Rio sem gastar muito.

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

untitled-2-01Uma das 7 Maravilhas do Rio de Janeiro, o Theatro Municipal é a principal casa de espetáculos do Brasil e uma das mais importantes da América do Sul. No ano do seu Centenário, ele foi totalmente restaurado e as suas instalações modernizadas, retomando o requinte com que foi construído, aliado à modernidade necessária do século XXI. Dentro do espaço existem diversos momentos em que o guia, com auxílio de vídeos, explica as reformas feitas no local.

As visitas guiadas, foi uma ação em prol de aproximar o público espontâneo ao teatro. Os valores e horário mudam frequentemente, então para obter uma informação mais confiável acessem o site.

Real Gabinete Português de Leitura
untitled-1-01O Real Gabinete Português de Leitura, tradicional biblioteca e instituição cultural lusófona, localiza-se na rua Luís de Camões, número 30, no centro da cidade. É uma das bibliotecas mais famosas do país, abrigando o maior número de obras de autores portugueses fora do território de Portugal. Cerca de 400 mil títulos da Literatura Portuguesa fazem parte do acervo, um bom exemplo disso é o princeps (primeira edição de um livro) de “Os Lusíadas”, de 1572, que pertenceu à Companhia de Jesus.

Além do acervo bibliográfico, O Real Gabinete atua como uma espécie de curador das relações culturais e sociais luso-brasileiras, desenvolvendo atividades por meio do Centro Cultural, do Centro de Estudos, do Pólo de Pesquisa Sobre as Relações Luso-brasileiras (PPRLB), e pelo Acervo Artístico que preserva, como fachada, obras de arte e a mobília que compõe o espaço.

Fortaleza de Santa Cruz da Barra (Niterói/RJ)

A Fortaleza é um dos pontos turísticos mais visitados de Niterói. Local que além de ter uma vista deslumbrante tem uma arquitetura impressionante.  Atrai turistas, pesquisadores em busca de lazer e história, crianças, esportistas etc. É um local para todos. Vale ressaltar que no local também tem um espaço especial para festas e casamentos.
dsc_0011Acredito que esta fortaleza seja uma das mais importantes do estado do Rio de Janeiro. Ela atrai uma média de dois mil visitantes por mês, em visitas guiadas, de hora em hora, com a duração de cerca de 45 minutos. Atualmente, é a sede da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército.  As visitas custam R$10,00 inteira e R$5,00 meia entrada. Os soldados fazem um passeio explicando os detalhes importantes da fortificação. Além disso, caso esteja muito quente o quartel oferece guarda-sol.

Em relação ao acesso para quem vai de ônibus: deve pegar o 33 (especial), pois para bem próximo do local. Para quem vai de carro, já é bem mais tranquilo, a fortaleza conta com um estacionamento lá dentro.

Não perca a oportunidade de ir com toda família fazer uma passeio bem agradável e conhecer um pouco mais da história do nosso país.
dsc_0015Fatos históricos
– Em 1555, Villegaignon improvisou uma fortificação para a defesa da entrada da Baía de Guanabara. Tomada por Mem de Sá dois anos mais tarde, foi ampliada, recebendo o nome de N. Sra. Da Guia, origem da fortaleza de Santa Cruz da Barra. Com uma área construída de 7.153 m2 , passou por reformas e teve seu poder de fogo ampliado por ordem do Vice-Rei Conde de Cunha, visando a proteger o embarque de ouro de Minas Gerais, feito no Porto do Rio de Janeiro.

– A Fortaleza de Santa Cruz da Barra participou de momentos importantes de nossa história, impedindo invasões francesas e holandesas. Enquanto presídio, recebeu figuras ilustres como José Bonifácio, Bento Gonçalves e Euclides da Cunha.

– Durante a revolta da armada, lutou contra o Forte de Villegaignon. Em 1922, na Revolta Tenentista, disparou contra o Forte Copacabana. Seu último disparo, contra o cruzador Tamandaré, foi dado em 1955.

Ilha da Boa Viagem (Niterói/RJ)

A  Ilha da Boa Viagem voltou a integrar o roteiro turístico de Niterói! O local por muitos anos não contou com estrutura turística  regular, o que impedia os moradores e o público em geral  de conhecer um pouco da história da ilha e da igrejinha.
dsc_0542Um dos mais belos cartões-postais de Niterói tem horários e esquemas diversificados para visitantes. O local só pode ser visitado através do acompanhamento de guias que acontecem às sextas, aos sábados, domingos e feriados, em quatro horários: 9h, 11h, 14h, 16h. Para grupos fechados formados por operadoras ou profissionais de turismo, visita poderão ser agendadas pelo Disque Turismo 0800-2827755 . O tempo de permanência de cada grupo, de no máximo 30 pessoas, no local é de aproximadamente uma hora. É um passeio curto, mas é uma oportunidade ímpar principalmente na vida dos niteroienses.

Dicas para o passeio à ilha
Para que o passeio à Ilha da Boa Viagem possa ser curtido com conforto pelos visitantes, a Neltur recomenda o uso de roupas leves e sapatos confortáveis. O uso de protetor solar também é aconselhado. No topo do circuito, o local conta com lixeiras.
dsc_0571