No cerrado encontrei Brasília

Essa foi a primeira vez que viajei na dúvida de está fazendo uma escolha acertada. Todo mundo que eu informava sobre a trip me perguntava: – O quê você vai fazer em Brasília? E mesmo tendo pesquisado diversos passeios no lugar, não sabia ao certo o que responder. Não é um território famoso turisticamente falando. Normalmente quem vai pra lá é para seguir depois para a Chapada ou para Caldas Novas. Mas hoje, posso afirmar tranquilamente que a capital do país vale sim ser visitada e reafirmo ainda mais a minha teoria: todo estado tem algo de bom a lhe apresentar, mesmo que seja só uma coisa, mas sempre vai valer à pena conhecer um lugar novo!

O meu tour pela cidade projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, começa ainda no Rio de Janeiro, pois era a primeira vez que minha mãe iria entrar em um avião (logo logo teremos mais detalhes sobre essa emoção contada por ela mesmo, em sua coluna no blog). Sim, esta foi mais uma aventura de mãe e filho, até porque o mochilão é para todos. Depois de passar por essa primeira adrenalina, fomos em busca do que a terra de JK tinha para nos mostrar.

Congresso Nacional

Dia 1
O primeiro dia é aquele meio perdido, que você tem o roteiro na mão, mas não sabe muito bem o que fazer. Pede informação na recepção e eles nem sabem que o lugar que você quer ir existe. Pergunta para as pessoas na rua e elas te dão 500 possibilidades de chegar no lugar, sendo que você só quer uma. Resumindo: o primeiro dia é o momento de se ambientar. E foi isso que fizemos, nos comunicamos e aprendemos como andar na cidade, que tem as ruas com nomes diferentes. Ah, e  também compreendemos que o Uber é fundamental para passear por lá. Neste primeiro dia fomos:

• Torre de TV
Famosa pela vista e pela feira, a Torre de TV é visita obrigatória para os turistas que vão pela primeira vez à capital.
Horário de visitação do mirante: Segunda-feira, das 14h às 20h. De terça a domingo, das 8h às 20h.
Funcionamento da feira: Sábados, domingos e feriados, de 9h às 18h.
Entrada gratuita.
Eixo Monumental, s/nº, Brasília – DF

• Museu Nacional
É um espaço que insere Brasília no circuito internacional das artes e mostra o que há de melhor na arte brasileira. O espaço é utilizado para exposições itinerantes de artistas renomados e temas importantes para a sociedade.
Horário de funcionamento: terça a domingo, das 9h às 18h.
Contato: (61) 3325-5220 / museunacional@gmail.com

Teatro Nacional Cláudio Santoro
O principal teatro da cidade tem projeto de Oscar Niemeyer e é todo revestido com cubos desenhados por Athos Bulcão. A obra de arte chamada” O sol” faz o espaço brincar com as sombras: a cada hora do dia forma novos desenhos na fachada.
Endereço: SCTN, Via N2, Asa Norte, Brasília – DF – CEP: 70070-200

Dia 2
Já estávamos mais desgastados, entretanto, mais preparados para seguir o roteiro. Dessa vez, estudamos bastante o mapa local e seguimos um passo a passo, para não perder tempo, até porque este era o dia mais cheio de atrações. Nesse dia conhecemos:

• Memorial JK
No lugar onde foi realizada a primeira missa da nova capital da República, o ponto mais alto dentro da cidade, está o espaço que homenageia o presidente que idealizou Brasília. O Memorial JK guarda a história da família Kubitschek e do seu mais ilustre membro, o presidente Juscelino, que recebe o visitante com um “aceno” ainda do lado de fora. O espaço é surpreendente, conta a história de forma rica e detalhada. Me impressionei bastante com o lugar.
Horário de visitação: de segunda a domingo, das 9h às 18h.
Entrada: R$ 10
E-mail: cultural@memorialjk.com.br | Telefone: (61) 3225-9451
Endereço: Praça do Cruzeiro, Eixo Monumental , Brasília – DF – CEP: 70070-300

• Jardim Botânico
Primeiro Jardim Botânico do Brasil com um ecossistema predominante de cerrado. Vale destacar que o lugar tem um espaço todo planejado para piqueniques, e que vale muito à pena ser conhecido e aproveitado. De terça a domingo, das 7 às 8h50, o acesso ao JBB é permitido somente a pedestres e ciclistas, sem cobrança de ingresso.
Horário de visitação: de terça à domingo, das 9 às 17 h.
Entrada: R$ 5. Crianças até 12 anos incompletos, idosos a partir dos 60 anos e portadores de necessidades especiais não pagam ingresso.
Endereço: SMDB, Área Especial, s/n – Lago Sul

• Pontão do Lago Sul
O passeio ao longo das margens do Lago Paranoá atrai centenas de visitantes nos finais de semana. O espaço tem belos jardins, restaurantes e decks que permitem ver um sensacional pôr do sol. Ótima pedida para quem tem a tarde para relaxar ao ar livre.
Horário de visitação: domingo e segunda, das 7h à 0h. Terça a quinta, das 7h à 1h. Sexta e sábado, das 7h às 2h.
Entrada gratuita
Endereço: SHIS, QL 10, LT. 1/30, Lago Sul, Brasília – CEP: 71630-100

• Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB
O mais democrático espaço cultural da cidade oferece exposições, teatro, shows e cinema gratuitamente ou por valores simbólicos. No CCBB é certo encontrar excelentes mostras culturais, sempre de altíssima qualidade. Na minha opinião esse é o melhor CCBB entre todos os outros. É o que tem mais interação e mais espaços ao ar livre.
Horário de visitação: terça a domingo, das 9h às 21h
Contato: (61) 3108-7600
Endereço: 
Sces, Trecho 2, lote 22, Asa Sul, Brasília – DF – CEP: 70200-002

• Ponte JK
Um dos monumentos mais fotografados da capital, a Ponte JK é parada obrigatória para o turista que visita Brasília.
Endereço: Via L4 Sul / Lago Sul QL 24/26, Asa Sul/ Lago Sul, Brasília – DF

Dia 3
No terceiro dia as coisas já estavam mais tranquilas. Já dava para curtir uma piscina ou um lago com mais calma. Nesse dia fomos aos locais que moradores da região tinham nos indicado, então posso dizer que eles curtem bastante o que fizemos, principalmente o lago que fica no Dom Bosco, ponto certo para ficar lotado.

• Estádio Mané Garrincha
Estádio Nacional de Brasília “Mané Garrincha” é um estádio de futebol e arena multiuso brasileiro.
O Estádio Nacional está aberto para visitação todos os sábados de 9h às 11h30.
Endereço: 
SRPN – Asa Norte, Brasília – DF, 70070-701

• Ermida Dom Bosco
A área verde à beira do Lago atrai esportistas, famílias para piqueniques e muitos visitantes para ver o pôr do sol (o mais bonito de Brasília). Por ser uma área bem limpa do Lago Paranoá, é comum banhistas se aventurarem a nadar e tomar sol.
Endereço: Estrada Parque Dom Bosco, QI 29, Lago Sul, Brasília – DF

Dia 4
O último dia de viagem, foi o momento de se envolver mais com a politica nacional. Rodamos os principais cenários de decisões importantes para o país. E mesmo quem não gosta tanto do tema, tem que fazer uma visita aos locais, o sacríficio será recompensado. O aprendizado é gigantesco.

• Congresso Nacional
A imagem das duas torres de 28 andares – as mais altas da cidade – com uma cúpula côncava (Senado) e outra convexa (Câmara) é o mais famoso cartão-postal de Brasília. Sede do Poder Legislativo, o Congresso Nacional é o grande foco das manifestações populares que acontecem na cidade.
Horário de visitação: das 9h30 às 17h, todos os dias do ano
Endereço: 
Praça dos Três Poderes, Brasília – DF – CEP: 70160-900

• Palácio do Itamaraty
Os arcos que compõem a fachada diferenciam o palácio de todos os outros prédios da Esplanada dos Ministérios. O projeto paisagístico de Burle Marx leva vida ao concreto. A melhor visita guiada entre todos os espaços que visitei.
Horário de visitação: segunda a sexta, das 14h às 16h30. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 15h30. Agendamento pelo telefone: (61) 3411-8051.
Endereço: 
Esplanada dos Ministérios – Via S1 – Bloco H, Asa Sul, Brasília – DF – CEP: 70170-900

• Parque da Cidade (Parque Sarah Kubitschek)
O parque é um dos prediletos entre os moradores para a prática de exercícios ao ar livre.
O parque permanece aberto 24hs,  todos os dias da semana.
Endereço: entradas pelo Eixo Monumental, pelo Setor Sudoeste e pelas quadras 901, 906 e 910 Sul.

Palácio Itamaraty

Curiosidades
Não há esquinas e  as áreas comerciais são separadas de acordo com a atividade comercial exercida. Há, por exemplo, a rua das farmácias, a rua dos restaurantes, o Setor de Indústria, o Setor de Gráficas… Eu mesmo fiquei no Setor Hoteleiro. As distâncias entre um lugar e outro geralmente são enormes, mas as avenidas são largas e bem arborizadas. Ah, lá praticamente só se anda de carro particular, uber ou táxi, os transportes públicos praticamente não são utilizados, e caminhar, num clima tão seco, também é muito raro.

Conclui-se que…
Eu adorei! Mais um lugar riquíssimo que foi conhecido. Mais uma viagem que deu certo. Mais uma experiência junto a minha mãe. Mais pessoas e culturas que conheci. A viagem novamente só teve “mais”, só pluralidade, só acréscimo. Vou me esforçar para que seja sempre assim. Sempre viajando e crescendo com os novos lugares que vou conhecendo.

Anúncios

Pedra do Sino no amor e na raça!

Antes de começar a relatar como foi a minha experiência, eu preciso destacar como é intensa a trilha da Pedra do Sino. Estou falando sobre o ponto mais alto do Parque Nacional da Serra dos Orgãos e da cidade de Guapimirim. Um ponto culminante do estado do Rio de Janeiro que tem 2263 metros de altitude. É um lugar surreal, muito procurado por montanhistas e alpinistas. Sabendo disso tudo, o que faço? Resolvo que quero chegar ao cume dessa pedra. Certas horas não sei o que se passa na minha cabeça (rs).

O percurso pode ser iniciado por diversos lugares. Pode ser por Guapimirim, ponto menos popular para iniciar a caminhada, por Petrópolis, normalmente feito por quem está fazendo a travessia Petrópolis-Teresópolis, ou por Teresópolis, opção que eu escolhi e que naturalmente é escolhida por quem só quer conquistar a Pedra do Sino. Vale destacar dois pontos importantes: o primeiro, que o Parnaso de “Terê” fica na Avenida Rotariana e dá para chegar tranquilamente de carro, van ou ônibus. O segundo ponto é para frisar que a trilha não é gratuita, quem quiser ir terá que acessar o site (parnaso.tur.br), escolher as opções que lhe interessam, gerar o boleto e levar o comprovante do pagamento até a recepção do Parnaso, que lá eles irão te dar as pulseiras e os comprovantes finais.
O começo de tudo
Nossa saga começou, depois de passar por uma portinha simples de madeira, encarando um trecho intenso de pedras, talvez a parte mais cansativa de toda a caminhada. Andando por 40 minutos nesse percurso você irá encontrar o abrigo 1, ponto geralmente utilizado como primeira parada. Escolhemos não parar, queríamos manter um ritmo mais forte e sair logo dessa parte de terreno mais complicado. Fizemos a nossa primeira parada na cachoeira (que está seca no presente momento).

Da cachoeira para o abrigo 3
Passando pela cachoeira você irá caminhar cerca de 2 horas até chegar ao abrigo 3. É um caminho mais leve, menos subidas, em constante zig e zag. Uma dica é se alimentar bem na cachoeira, para obter mais energia e dar um impulso forte, sem paradas. Se conseguir fazer isso, você já terá dominado mais da metade da trilha. Apesar do abrigo 3 não está mais funcionando, ele é um ótimo ponto para descanso e, além disso, também conta com um pequeno mirante, que fica a 5 minutos do local.

Abrigo 3 para o 4
Apesar dos 20 quilos nas costas, dos 5 quilos na mão (barraca) e de está caminhando a alguma horas, estávamos no tempo que queríamos e nos sentindo melhor do que imaginávamos, até que uma surpresa aconteceu: veio uma inesperada chuva! Num primeiro momento ficamos perdidos, pois como a meteorologia não previa isso, também não estávamos esperando. Mas, depois de um tempo embaixo de uma árvore, minha parceira de trilha teve uma brilhante ideia: usar a lona da barraca pra proteger a gente e as malas. Fomos andando assim! Não tínhamos escolha, ficar embaixo da árvore era perigoso, descer levaria mais tempo que subir, então resolvemos seguir e enfrentar aquela cachoeira que vinha na nossa direção. Infelizmente não temos fotos, pois a pressa de chegar ao final da trilha e ficar secos nos deixou extasiados e com foco máximo. A cena deve ter ficado engraçada, pelo menos todo mundo que passava dava aquela risada (rs).

Chegando ao camping
Depois de muito esforço e 4 horas de subida, conseguimos com muita alegria chegar ao camping. Montei rapidamente a barraca e fomos correndo para a pedra (o cume da pedra fica a 25 minutos do abrigo 4) para ver o pôr do sol, mas a ideia, misturada  a nossa displicência e inocência momentânea, não deu muito certo. Fomo pegos, novamente, por uma surpresa e, dessa vez, foi ainda pior, pois se tratava de uma intensa neblina!

Ficamos no alto do cume sem enxergar nada, inclusive o caminho de volta, por cerca de 30 minutos. Percebemos que o tempo não ia melhorar, então resolvemos, sem perder a calma, buscar algumas opções de saída. Nesse momento comecei a me rastejar pelas pedras em busca de um ponto plano para descer, pois como se tratava de um cume, pulando no lugar errado era “adeus”. Felizmente com a ajuda divina consegui achar um ponto e retornar a trilha. Mas fica aqui a reflexão, sua vida sempre está em primeiro lugar! Sempre coloque isso na sua cabeça, assim nunca vai se expor a situações de riscos, como eu fiz erradamente.
A recompensa
A partir desse susto, resolvemos que era o momento de encarar o frio e dormir. Nessa hora, todo o peso que levei compensou. O frio lá realmente é muito intenso, fez cerca de 2 graus. Para quem quiser me seguir, eu levei: isolante; saco de dormir; muita roupa (dois casacos, duas calças grossas, três meias, luva e touca); muita comida (quatro sanduíches bem recheados, três ovos, três bananas, 2 bananadas e um tubo grande de batata); três litros de água e um repositor. Resumidamente, levei muita coisa.

Acordamos com um lindo céu estrelado, às 4h da manhã. Nos arrumados e fomos subir o pico, às 4h30. Levamos lanterna para chegar até lá, estava tudo bem escuro. Enfim a recompensa chegou! O céu estava lindo, limpinho, azul! Sem dúvidas alguma este foi, até hoje, o nascer do sol mais lindo que já vi. Aquele peso das costas finalmente saiu. Curtimos muito, tiramos altas fotos e aquele conforto de que tudo valeu à pena veio a tona. Nessa hora eu não sabia nem o que pensar, só queria curtir o momento. Ficamos lá por mais de duas horas, descemos, desmontamos tudo e partimos para casa. Fizemos a descida em 3 horas.
Depois disso tudo, eu só posso afirmar que Deus sabe de toda as coisas! Se você não compartilha de minha fé, se apegue na sua, pois certamente essa experiência vai te deixar mais próximo de algo superior. Foi incrível, marcante e único. Voltamos para casa super satisfeitos e sempre vamos ter essa lembrança na memória, de que vivemos algo único e extraordinário.

Desbravando a Pedra de Itaocaia

Em busca de uma nova trilha para seguir… fui parar mais uma vez em Maricá. Lá, encontrei a Pedra de Itaocaia, localizada na região da Fazenda Itaocaia, em Itaipuaçu. Ponto que, apesar de contar com uma área natural singular, sofre com a expansão imobiliária, que vem, há muito tempo, diminuindo os caminhos para se chegar ao topo da pedra, de 389 metros de altura.

O percurso é de nível leve para moderado e não é muito frequentado, ou seja, tem muitas partes de pedras pelo caminho e de vegetação coberta. Se também quiser conhecer esse percurso, terá que caminhar por 1h40 (ida e volta) em meio a partes fechadas, escorregadias e algumas escalaminhadas.

A trilha começa no extremo sudoeste da pedra, praticamente nos fundos do terreno de número 331, na rua 5. O caminho é ao lado direito do terreno. Chegando no local, logo pode-se encontrar um placa dando as especificações sobre a trilha e indicando onde ela inicia.

Agradeço a galera do Pitbull Aventura pelo convite. Além de ter conhecido um lugar espetacular, também fui muito bem tratado durante todo o trajeto.
Como chegar à trilha?
O ponto de referência é o posto de gasolina da entrada da Rua 1. De lá, deve-se seguir pela Estrada de Itaipuaçu no sentido Recanto e virar na próxima rua à direita. A trilha começa no lado direito do próximo cruzamento em “T”. Não é um ponto fácil de chegar, deixo um mapinha na parte inferior para tentar dar mais uma ajuda.

História curiosa do local ou lenda?
De acordo com o naturalista inglês Charles Darwin, que esteve na Fazenda Itaocaia no século XIX, a Pedra de Itaocaia foi palco de uma tenebrosa história. Darwin narrou que durante a sua estadia no local, uma escrava em fuga lançou-se no precipício de cima da Pedra de Itaocaia após ter jogado a filha do fazendeiro no tacho de melado, por vingança e ciúmes. Segundo Charles Darwin, também havia um quilombo no topo da pedra, onde os escravos da região fugiam e iam para lá. Porém, o mesmo não durou muito, pois fazendeiros se juntaram para acabar com o esconderijo.

Rumo a Praia do Perigoso

Quer ficar sem fôlego? Então pense em uma praia selvagem, praticamente deserta, que lhe permite contemplar o mar e a Pedra da Tartaruga e, além disso, é um recanto de sossego.

Lhes apresento a Praia do Perigoso. Uma das 5 praias do Rio considerada selvagem. Essas praias recebem esse título porque não sofreram nenhum tipo de intervenção humana no seu entorno. Para chegar até elas, geralmente, é necessário fazer uma trilha.
Como chegar?
O visitante pode ir através de transporte público ou de carro. Confesso que em Guaratiba nunca fui de ônibus por causa da distância, mas também deixo essa opção abaixo para quem tiver essa disposição. Vale destacar, também, o valor caríssimo das vagas para carros, indico achar algum lugar um pouco mais distante, pois o quanto mais próximo do início do percurso mais caro fica.

Carro: Pra quem vem de Niterói, Centro, Zona Sul e Barra da Tijuca seguir pela Avenida das Américas até chegar ao Túnel Vice-Presidente José de Alencar. Passando o túnel pegar o retorno para a entrada de Barra Guaratiba e pegar a estrada Roberto Burle Marx e seguir até o final da via. Pra quem vem via Campo Grande, seguir em direção à Barra da Tijuca e pegar a entrada de Barra de Guaratiba e seguir pela estrada Roberto Burle Marx e seguir até o final da via.

Transporte Público: Pra quem vem de Niterói, Centro, Zona Sul e Barra da Tijuca a melhor opção é seguir até o Terminal Alvorada e de lá pegar o BRT para soltar na estação Ilha de Guaratiba. Chegando lá será preciso pegar o ônibus 867 da Auto Viação Jabour (Campo Grande x Barra de Guaratiba) e descer no ponto final. O mesmo vale para quem vem via Campo Grande. A linha 867 (Campo Grande x Barra de Guaratiba) sai da Rodoviária de Campo Grande e vai até o ponto final na Praia de Guaratiba.

Trilha e rapel na Pedra da Tartaruga

Eu ouvi você dizer medo?

Medo sempre foi um problema e uma solução em minha vida. Sempre tive medo do escuro, mas umas das exposições que mais amei foi a Diálogo no escuro, onde o visitante fica em um breu total. Sempre tive medo de perder pessoas que gosto e, após isso acontecer, amadureci e aprendi a dar mais valor a vida. Tenho medo constantemente de altura e vivo fazendo esportes que enfrento isso de uma forma drástica.

Novamente apareceu a oportunidade de enfrentar esse medo de altura. Tiver a chance de apreciar, mais uma vez, o prazer que é fazer rapel. Foi a minha segunda vez praticando esse esporte, mas foi a primeira vez que fiz na Pedra da Tartaruga.
A Pedra da Tartaruga é um refúgio rochoso com 98 metros de altitude, localizada na região das Praias Selvagens de Barra de Guaratiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Esse lugar fantástico fica dentro do Parque Estadual da Pedra Branca. Para chegar ao seu topo, você terá que enfrentar uma trilha leve, tendo raras dificuldades. Para os amantes da natureza, é um passeio que vale à pena mesmo se você não for fazer rapel. Vá cedo, pois o local nos fins de semana fica lotado.

O rapel de lá também é tranquilo, tem cerca de 40 metros de altura. Ele começa no formato positivo, com o praticante encostando o pé na pedra, e depois passa para o formato negativo, sem o contato dos membros inferiores com qualquer tipo de “meio”(pedra, parede, etc). O ponto crítico deste tipo de rapel é a passagem do positivo para o negativo, pois temos que ir nos aproximando aos poucos da pedra antes de desencostar de vez.

Quando for fazer procure um profissional qualificado para o esporte. Eu fiz com a empresa Trilhando Guaratiba. Equipe muito atenciosa e animada. Indico muito o passeio e a equipe.

Espero que essa publicação lhe encoraje um pouco a superar seus medos. Sei que parece clichê, mas quando nos superamos tudo que fazemos fica muito mais prazeroso.
Como chegar?
A caminhada começa na Praia de Barra de Guaratiba. Uma opção de transporte público é o BRT. O visitante deve descer na estação do BRT de Ilha de Guaratiba, seguir a pé até o ponto de ônibus 867 que tem como ponto final a Praia de Barra de Guaratiba.

Trilhando na Pedra Bonita

E, por fim, chegou a vez de trilhar na Pedra Bonita, talvez a pedra mais popular do Rio. É uma caminhada relativamente fácil, um pouco íngreme, o que traz um pouco de dificuldades, mas o percurso é possível de ser feito por pessoas de todas as idades, o que explica o porque de toda essa popularidade. O tempo médio de subida até o topo é de aproximadamente 40 minutos.
A caminhada tem início na Estrada das Canoas, em São Conrado. Depois de uma bela subida você irá encontrar dois caminhos possíveis: um vai para a rampa de Vôo Livre, o outro, com uma escadinha mais rústica, vai em direção a trilha.

Com uma altitude máxima de 696 metros, coberta, em algumas partes, de floresta de Mata Atlântica, este ponto turístico está localizado no Parque Nacional da Tijuca, mais precisamente entre a Pedra da Gávea e os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca. Quando você chegar ao topo irá poder ver a Zona Oeste, grande parte da Zona Sul, a Floresta da Tijuca e a Pedra da Gávea. É um do melhores visuais do Rio.
Como chegar ?
Indo pela Tijuca: Na Praça Saens Peña na mesma calçada da C&A pegue o ônibus 301 direção ao Alto da Boa Vista, desça no Corpo de Bombeiros entre a Rua Boa Vista e Estrada das Furnas. Pegue o ônibus 448 e desça em frente a rampa de acesso a Pedra Bonita.

Indo de São Conrado: pegue o ônibus 448, em direção ao Alto da Boa Vista, próximo a entrada da Estrada das Canoas e desça em frente a rampa de acesso a Pedra Bonita.

Indo de Niterói: Pegue as barcas ou o ônibus 100/101 e vá em direção ao metrô. Desça na estação de São Conrado. Chegando lá, vá até o ponto de ônibus que fica na parte de trás do metrô, próximo a subida da Rocinha, e pegue o ônibus 448, em direção ao Alto da Boa Vista, e desça em frente a rampa de acesso da Pedra.

Subindo a Pedra do Elefante

Minha primeira trilha feita em Maricá deixa ótimas recordações.  A trilha da Pedra do Elefante, ou Alto Mourão, além de ter um visual deslumbrante, tem partes bastantes desafiadoras e divertidas.
Esta pedra é o ponto mais alto da Serra da Tiririca. Com 412 mts de altura, está localizada entre as praias de Itaipuaçu e Itacoatiara. Do seu cume temos uma incrível visão de 360º, onde podemos contemplar as montanhas do Rio, o Costão de Itacoatiara, toda a Região Oceânica de Niterói, as praias de Itaipuaçu e Maricá e as ilhas Maricás.

O percurso é dividido em duas etapas: uma trilha leve, que dura cerca de 40 minutos, e a temida subida da pedra, que dura em torno de 20 minutos.

A trilha, bem demarcada, é de subida constante e tem como seu ponte chave o encontro do primeiro mirante, que da vista para o Costão de Itacoatiara. É uma subida fácil e que causa pouco esforço mesmo as pessoas que não estão acostumadas em trilhar.

Depois de passar pelo mirante e de caminhar por mais alguns minutos encontra-se a pedra. Muitos grupos utilizam corda nesta parte, mas como nem eu e nem meus amigos tínhamos corda, fizemos no “braço” mesmo. Muitas pessoas que tem medo de altura desistem nessa hora, mas eu indico fazer o contrário, aproveitar esse momento e superar o seu medo, até porque no final terá uma ótima recompensa. Para subir e descer é só utilizar como apoio as fendas que tem pela pedra. A trilha é considerada de nível moderado exatamente por causa desta parte.

Utilize aos mãos e os pés. Suba e desça pouco a pouco, mas não deixe de tentar. O visual de lá do alto é deslumbrante.
Como chegar?
A entrada da Pedra do Elefante fica localizada próximo ao Mirante da Estrada de Itaipuaçu (RJ-102). Partindo de Niterói as opções são as linhas 38, 46 e 52. Para quem vai sair do terminal eu indico o 38. Partindo do centro do Rio, pegar na Presidente Vargas/Central do Brasil a linha 770.